Corregedor do DF pede processo contra nove distritais

Oito são acusados pela PF; nono é o petista Cabo Patrício, acusado de beneficiar deputado da meia

Carol Pires, da Agência Estado,

24 de fevereiro de 2010 | 18h25

O corregedor-geral da Câmara Legislativa do Distrito Federal, Raimundo Ribeiro (PSDB), pediu nesta quarta-feira, 24, a abertura de um processo disciplinar contra nove deputados distritais. Oito deles são acusados no inquérito da Operação Caixa de Pandora de serem beneficiários de esquema de corrupção local. O nono deputado que pode ser alvo de processo é Cabo Patrício (PT), presidente da Câmara Distrital, pela acusação de ser autor de um projeto que beneficiaria o filho do deputado Leonardo Prudente (ex-DEM).  

 

Veja também:

linkSTF adia julgamento de Arruda

lista Íntegra da carta de renúncia de Paulo Octávio

blog BOSCO: Intervenção federal não soa tão remota

especialEntenda a operação Caixa de Pandora

Os processos precisam agora ser aprovados pelo Comitê de Ética para estarem oficialmente abertos, segundo explicou Raimundo Ribeiro. O corregedor disse que conversou com políticos, juristas e populares antes de elaborar os pareceres e chegou à conclusão que "todos querem que essas denúncias sejam investigadas, mas ninguém quer que se faça linchamento das pessoas".

A Comissão Especial será formada pelo deputado Bispo Renato (PR), Érika Kokay (PT), Batista das Cooperativas (PRP), Alírio Neto (PPS), além do próprio Raimundo Ribeiro. O corregedor, porém, se declarou impedido de analisar, no comitê de Ética, os processos que já analisou como corregedor. Por isso, os deputados Cristiano Araújo (PTB) e Doutor Charles (PTB) ainda discutem quem substituirá Ribeiro no colegiado.

Mais conteúdo sobre:
mensalãoDFCâmaracorregedor

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.