Corregedor desiste de abrir investigação contra Eduardo Suplicy

Parlamentar desfilou pelos corredores do Senado trajando uma sunga vermelha por cima da calça social

Carol Pires, da Agência Estado,

19 Outubro 2009 | 13h26

O corregedor-geral do Senado, senador Romeu Tuma (PTB-SP), desistiu de abrir investigação contra o senador Eduardo Suplicy (PT-SP), que, na quarta-feira, desfilou pelos corredores do Senado trajando uma sunga vermelha por cima da calça social. A brincadeira atendeu a um pedido da apresentadora da Rede TV! Sabrina Sato, que disse ao parlamentar que ele ficaria parecido com o "Super-Homem" se vestisse a indumentária. Suplicy foi alvo de críticas entre os senadores que o acusaram de quebrar o decoro parlamentar.

 

Ao final da investigação, Tuma pretendia advertir Suplicy sobre a má repercussão do fato. Hoje, no entanto, o corregedor anunciou que irá apenas produzir um relatório sobre "como se comportar em entrevistas a programas de humor" e distribuí-lo aos senadores. "Este episódio serviu de alerta de que tem coisas que a gente deve aceitar e outras não", disse Tuma.

 

A cena na qual Suplicy desfila pelo Senado com a sunga vermelha não foi exibida pelo programa Pânico na TV!, que foi ao ar ontem à noite. Em nota à imprensa, o senador informou que conversou com os produtores do programa e pediu que a cena fosse cortada da reportagem.

 

Na avaliação de Tuma, o Senado está em processo de restabelecimento da imagem perante a opinião pública e abrir investigação contra Suplicy neste momento "causaria um problema maior". "Ele tomou as providências para evitar que a cena fosse exibida, também me telefonou no sábado para explicar o ocorrido, as informações foram confirmadas pela Sabrina Sato. Então, eu achei melhor não dar corda para isto e evitar que o senador seja levado ao Conselho de Ética."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.