Corregedor cria comissão para investigar Edmar

O corregedor da Câmara, deputado Antonio Carlos Magalhães Neto (DEM-BA), decidiu hoje criar uma comissão de sindicância para investigar supostas irregularidades cometidas pelo deputado Edmar Moreira (sem partido-MG). Em fevereiro, Moreira, que ficou conhecido por ter um castelo avaliado em R$ 25 milhões, renunciou ao cargo de corregedor em meio às denúncias de uso irregular da verba indenizatória. Além de ACM Neto, a comissão será composta por quatro deputados, todos convidados pelo deputado do DEM e integrantes da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa.Foram escalados para integrar a comissão, que já teve sua primeira reunião de trabalho hoje mesmo, os deputados José Eduardo Martins Cardozo (PT-SP), Osmar Serraglio (PMDB-PR), Flávio Dino (PCdoB-MA) e Régis de Oliveira (PSC-RJ). ACM Neto justificou a criação da comissão de sindicância se respaldando no que chamou de "ineditismo" do caso. De acordo com o corregedor, é a primeira vez que o órgão vai analisar o caso específico de uso irregular de verba indenizatória. Moreira teria usado R$ 140 mil dos R$ 180 mil a que teria direito com gastos para sua segurança, apesar de ele próprio ser dono de uma empresa da área."Não há nenhum precedente de mesma ordem. Qualquer decisão que se venha a tomar é melhor que se tenha um calço jurídico para que o parecer que o corregedor vai encaminhar à Mesa seja concreto e consistente", disse o corregedor. Moreira se recusa a dar entrevistas para esclarecer as dúvidas a respeito do uso da verba indenizatória.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.