Corregedor abre sindicância para investigar TJ-BA

O corregedor nacional de Justiça, Francisco Falcão, determinou nesta terça-feira a abertura de sindicâncias para apurar suspeitas de irregularidades no Tribunal de Justiça (TJ) da Bahia, entre as quais, erros no cálculo de precatórios e extravio de um processo, que teriam provocado excesso de R$ 448 milhões nos pagamentos.

EQUIPE AE, Agência Estado

16 Abril 2013 | 19h54

Entre os magistrados que serão investigados, está o presidente do TJ, Mário Alberto Simões Hirs, e a ex-presidente Telma Laura Silva Britto. A decisão foi tomada após a realização de uma correição no Judiciário da Bahia na semana passada. "O quadro retratado de forma breve neste relatório preliminar de correição é grave. São indicadas sérias irregularidades na administração do tribunal, em relação a licitações, controle de pessoal e precatórios", afirmou Falcão.

"O setor de precatórios está sem controle, sobretudo em relação aos cálculos de atualização das dívidas e verificação dos requisitos legais para a formação dos autos dos precatórios, expondo o ente público a pagamentos indevidos de grande monta", acrescentou. De acordo com o CNJ, teria havido um excesso de R$ 448 milhões no pagamento dos precatórios. Recentemente, o conselho também detectou equívocos no cálculo das dívidas da Paraíba e Ceará. "Há perspectiva de quase R$ 100 milhões pagos acima do valor", disse Falcão, ao comentar a situação dos precatórios paraibanos.

Nesta terça-feira, Falcão observou que o tribunal baiano descumpriu sem justificativa uma série de determinações que já tinham sido feitas pela corregedoria em inspeções realizadas no passado. Segundo o CNJ, cerca de mil magistrados não apresentaram nos últimos anos a declaração de bens e renda. Outro problema estaria ligado a um contrato com o Banco do Brasil, com dispensa de licitação, para administração de depósitos judiciais. Além disso, assessores de gabinete estariam trabalhando em regime de revezamento, comparecendo uma ou duas vezes por semana.

Mais conteúdo sobre:
SindicânciaCNJBahia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.