Correção: PSDB retira ação para abrir gastos de Lula

A nota enviada anteriormente contém um erro. O mandato de segurança foi protocolado em fevereiro deste ano, e não do ano passado. Segue o texto corrigido:O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (PSDB-AM) comunicou hoje ter desistido do mandado de segurança que solicitava liminar judicial para ter acesso aos dados sigilosos sobre gastos do gabinete do presidente da República com cartões de corporativos. O mandado foi protocolado pelo senador junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) em fevereiro deste ano. Virgílio justificou a ação como um "gesto de confiança" nas investigações que serão realizadas pela Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) dos Cartões Corporativos.Segundo o líder tucano, a CPMI será o instrumento adequado para investigar o uso dos cartões. "Com a instalação da CPMI torna-se desnecessário o recurso à Suprema Corte", afirmou. "Entretanto, deixo claro que poderei, futuramente, recorrer a mandados de segurança caso integrantes do governo dificultem as atividades da comissão." As informações são da Agência Senado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.