Correção: No Twitter, Dilma critica espionagem dos EUA

A nota enviada anteriormente continha uma incorreção. No quarto parágrafo, havia referência a Edward Snowden como jornalista britânico, enquanto o correto é que Snowden é um ex-agente da NSA que vazou informações ao jornalista britânico Gleen Greenwald. Segue o texto corrigido:

AE, Agência Estado

06 de outubro de 2013 | 20h08

A presidente Dilma Rousseff voltou a comentar em sua conta no Twitter a espionagem dos Estados Unidos ao Brasil. No perfil @dilmabr, a presidente afirmou ter recebido um livro do jornalista James Bamford sobre o sistema de espionagem norte-americano. Publicado em 2008, The Shadow Factory: The Ultra-Secret NSA from 9/11 to the Eavesdropping on America (algo como A fábrica de sombras: a ultra-secreta NSA do 11/9 à espionagem da América), mostra, segundo Dilma, que "vem ocorrendo há mais tempo o que apareceu agora: espionagem a cidadãos brasileiros (inclusive eu), cias e ministérios".

A conclusão do livro, de acordo com a presidente, é que "aumenta a capacidade tecnológica para espionar c/ total descontrole sobre quem acessa os dados". Nas mensagens, Dilma voltou a cobrar explicações e mudanças de comportamento por parte dos norte-americanos e relembrou ter denunciado o caso na assembleia da Organização das Nações Unidas (ONU) como uma violação dos direitos humanos e da soberania do País.

A presidente aproveitou para informar que enviou ao Congresso uma nova proposta de Marco Civil da Internet, uma iniciativa que, segundo ela, "irá ampliar a proteção da privacidade dos brasileiros." O projeto deve ser apreciado nas próximas semanas. Dilma também disse que enviará uma proposta de marco civil internacional à ONU assim que o projeto nacional for aprovado.

Na noite deste domingo, 08, o programa Fantástico, da Rede Globo, deve trazer reportagem sobre a atuação da espionagem norte-americana no Ministério das Minas e Energia. Nas últimas semanas, o programa havia revelado como a Agência Nacional de Segurança (NSA) dos Estados Unidos vigiava a própria presidente Dilma Rousseff e a Petrobras. As reportagens foram baseadas em documentos vazados pelo ex-agente da NSA Edward Snowden ao jornalista britânico Glenn Greenwald.

Esporte

Dilma aproveitou esta tarde para parabenizar o atleta Arthur Zenetti, ouro nas argolas no Mundial de Ginástica Olímpica, e para comemorar os 4,5 milhões de inscritos para comprar ingressos da Copa de 2014. "É um recorde em relação aos outros torneios."

Política

Dilma Rousseff também expressou sua solidariedade à presidente argentina Cristina Kirchner, que está em repouso médico por causa de complicações de um traumatismo craniano. "@CFKArgentina é amiga do Brasil e minha amiga. #FuerzaCristina".

Apesar da forte presença no Twitter, Dilma não se pronunciou sobre as recentes mudanças no cenário político brasileiro. Em nenhuma de suas mensagens Dilma chegou a citar os potenciais adversários para as eleições de 2014, Eduardo Campos e Marina Silva.

Tudo o que sabemos sobre:
Dilmaespionagem

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.