Correção: Na TV, Dilma exibe lado 'ambiental' do governo

A nota enviada ontem, dia 27 de outubro, contém uma incorreção. A publicidade eleitoral gratuita na televisão e rádio termina amanhã, dia 29, e não hoje, como informado no texto. Segue a nota corrigida e atualizada.

DAIENE CARDOSO, Agência Estado

28 de outubro de 2010 | 12h02

A campanha da candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, mostrou ontem, no antepenúltimo dia de publicidade eleitoral gratuita na TV, o lado "ambientalista" do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a preocupação com o crescimento econômico sustentável. Ao comparar as gestões de Lula e do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o PT reforçou que o desmatamento na Amazônia caiu nos últimos anos com os ex-ministros do Meio Ambiente Carlos Minc (PT-RJ), hoje deputado estadual, e Marina Silva (PV-AC), atual senadora, que ficou em terceiro lugar no primeiro turno, com quase 20 milhões de votos.

"É preciso cuidar do meio ambiente e das pessoas", defendeu Dilma. De acordo com a campanha dela, o desafio do País agora é crescer e melhorar a vida dos brasileiros preservando a natureza. Dilma foi citada como a ministra de Minas e Energia que fez uma "revolução" na área e que mais investiu em energias renováveis.

A publicidade eleitoral gratuita petista diz ainda que a participação do Brasil na 15ª Conferência das Partes (COP 15), da Organização das Nações Unidas (ONU), em 2009, em Copenhague (Dinamarca), "mudou os rumos" do evento ao propor a redução da emissão de gás carbônico entre 36% e 39% e, pelos esforços pelo meio ambiente, o mandato de Lula foi reconhecido pelo World Wide Fund for Nature (WWF, Fundo Mundial para a Vida Selvagem e Natureza na sigla em inglês).

De olho no eleitorado feminino, o programa listou os resultados das políticas para as mulheres, como a criação da Lei Maria da Penha (11.340), o incentivo à licença-maternidade de seis meses e o aumento do número de brasileiras com carteira de trabalho assinada. Dilma prometeu ampliar o número de creches, investir em capacitação profissional e programas de saúde para mulheres. No fim, o presidente Lula deixou a mensagem: "Está na hora de escolher entre o Brasil que deu errado e o Brasil que deu certo."

''Más companhias''

A publicidade do candidato a presidente José Serra (PSDB) abriu o horário eleitoral de ontem citando a modernização do sistema de telefonia no País como principal responsável pela ampliação da quantidade de brasileiros com telefone. "Gente rica tinha telefone, gente pobre ia para o orelhão", disse o ator. "Com Serra, o avanço é para todos", reforçou.

Na participação, o candidato do PSDB disse que um presidente "não pode andar com más companhias" e que, atualmente, os ministérios servem de "cabide de emprego" para aliados. "Comigo, não vai ser assim", prometeu.

O programa exibiu depoimentos de médicos e ex-usuários de drogas sobre o perigo do crack e Serra afirmou que se dedicará à luta contra o tráfico, se for eleito. "Esse é o desafio que deve nos unir agora", disse. Ele propôs a criação de clínicas especializadas em tratamento para usuários de entorpecentes e afirmou que investirá em "tecnologia de verdade" para fiscalizar as fronteiras, e não em "disco voador" (uma menção indireta aos aviões não tripulados comprados pela administração federal).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.