Correção: Justiça quebra sigilo de Protógenes

A nota enviada anteriormente tinha um erro no título. Segue novamente a nota, que estava correta:A Justiça Federal decretou a quebra do sigilo de 25 linhas de celulares e rádios utilizados pelo delegado Protógenes Queiroz, mentor da Operação Satiagraha - investigação contra o banqueiro Daniel Dantas. A decisão acolhe pedido da Corregedoria da Polícia Federal, que investiga Protógenes por suposta quebra de sigilo funcional, monitoramento clandestino de políticos e autoridades e uso de agentes da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) no cerco contra o sócio-fundador do Grupo Opportunity. A PF requereu acesso aos extratos telefônicos de Protógenes alegando que o objetivo ?é reforçar as provas já colhidas no presente feito e para melhor aferir a verdade real dos acontecimentos durante o período dessa parceria espúria com servidores da Abin?. Para o delegado-corregedor Amaro Vieira Ferreira, que conduz inquérito contra o criador da Satiagraha, ?se faz necessário um estudo dos contatos que foram mantidos pelo investigado, o que pode ser realizado pela análise dos registros das ligações telefônicas recebidas e efetuadas por ele?. O corregedor pediu ?em regime de urgência? a quebra do sigilo dos registros relativos ao período de fevereiro a agosto de 2008. A Operação Satiagraha foi deflagrada na manhã de 8 de julho, quando Dantas foi capturado no Rio, por ordem do juiz Fausto Martin De Sanctis, da 6ª Vara Federal de São Paulo. Lula Apesar de saber que Protógenes Queiroz supostamente teria extrapolado os limites durante a investigação do banqueiro Daniel Dantas, Lula teria ficado impressionado com a extensão da ação. O assunto foi tratado ontem durante a reunião de coordenação política do governo, no Palácio do Planalto. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.