CORREÇÃO-Juiz recusa oferta de até US$40 mi de traficante Abadía

Uma proposta do traficante colombianoJuan Carlos Ramírez-Abadía de entregar à Justiça brasileira de30 milhões a 40 milhões de dólares em troca de benefícios foirecusada por um juiz federal de São Paulo, nesta quarta-feira. Abadía -- acusado de lavagem de dinheiro, formação dequadrilha, corrupção ativa, falsificação de documentos efalsidade ideológica-- é um dos maiores traficantes de drogasdo mundo e tem um pedido de extradição para os Estados Unidossendo avaliado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O traficante, conhecido como "Chupeta", solicitou adiminuição ou extinção da pena de sua mulher, Yessica PaolaRojas Morales, acusada de três crimes, a transferência dele dopresídio federal de Campo Grande (MS) para a prisão de Itaí(SP) e, no caso de concessão da extradição para os EUA, aliberação do cumprimento de pena no Brasil, afirmou aprocuradora Thaméa Danelon. O juiz Fausto Martin de Sanctis, no entanto, não aceitou ostermos do acordo, "porque preferiu ficar livre para proferir asentença ao final do processo do modo que achar melhor",segundo a procuradora. De acordo com Danelon, o colombiano ofereceu entre 30milhões a 40 milhões de dólares que ele tem escondidos noBrasil em troca dos benefícios. Além do dinheiro, o colombianopropôs que, se o juiz aceitasse os termos do acordo, ele fariacom que três comparsas seus no exterior e um no Brasil seapresentassem à Justiça espontaneamente. "O Ministério Público Federal havia concordado na reduçãode pena de Yessica, mas outros termos do acordo precisariam sermelhor estudados. De qualquer modo, quem decide é o juiz, e eleentendeu por bem não aceitar", disse a procurada a repórteres,em entrevista coletiva, após a audiência realizada no prédio daJustiça Federal. Danelon lamentou a recusa do juiz, afirmando que o dinheiropoderia ser destinado inclusive a obras sociais no país. "Trinta a 40 milhões de dólares é um dinheiro importante,que poderia ser utilizado para a infra-estrutura da Justiça,para ONGs e para obras sociais em geral", declarou. Abadía foi preso em agosto de 2007 em um condomínio de luxoem Aldeia da Serra, na Grande São Paulo, e está em regime deprisão preventiva no presídio federal de Campo Grande. SegundoDanelon, ele pode pegar até 30 anos de prisão, pena máxima noBrasil, pelas acusações contra ele. Nos EUA, Abadía é procurado por tráfico de drogas e peloassassinato de 15 pessoas, incluindo policiais, e na Colômbia ésuspeito de ordenar cerca de 300 assassinatos. O traficante retorna na tarde desta quarta-feira de SãoPaulo para Campo Grande. (Reportagem de Guilherme Vieira; texto de Pedro Fonseca)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.