Correção: Governador cassado diz que 'luta não acabou'

A nota enviada anteriormente contém uma incorreção. Ainda cabe recurso da decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que cassou o mandato do governador de Tocantins, Marcelo Miranda (PMDB). Segue o texto corrigido.

LUCIANA NUNES LEAL, Agencia Estado

09 de setembro de 2009 | 14h17

O governador cassado de Tocantins, Marcelo Miranda (PMDB), disse hoje que "a luta não acabou" e que continuará trabalhando pelo Estado. Miranda deu a declaração na porta do Palácio Araguaia, onde aguardava a chegada de seu substituto, o presidente da Assembleia Legislativa e companheiro de partido, Carlos Henrique Gaguim (PMDB), a quem entregará o cargo. Todos os secretários estaduais também sairão do governo, segundo Miranda. "Entrei pela porta da frente e sairei pela porta da frente. Desejo que o governador seja muito feliz", afirmou.

Marcelo Miranda negou as acusações de abuso do poder político nas eleições de 2006. "Continuo dormindo em paz", respondeu. Gaguim assumirá interinamente até que o novo governador seja escolhido, em eleição indireta, pelos 24 deputados estaduais. "É uma determinação do TSE que tem de ser respeitada. O eleitor indireto deve ser respeitado, os deputados estaduais representam o eleitorado. Mas a comunidade tem de ser chamada a participar também", disse Miranda. Ele afirmou que, se for convocado pelo PMDB a participar da campanha-relâmpago para escolha do "governador-tampão", estará "pronto para contribuir". Um dos nomes do PMDB para disputar o governo é o próprio Carlos Gaguim.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.