Correção: Em debate, Marina adota atitude mais crítica

A nota enviada anteriormente contém duas incorreções. No segundo parágrafo, em vez de biografias "responsáveis", o correto é "respeitáveis". No quinto parágrafo, em vez de "...favorável às políticas públicas existentes para tratar da questão", o correto é "...favorável às políticas públicas para tratar da questão". Segue o texto corrigido:

DAIENE CARDOSO, Agência Estado

18 de agosto de 2010 | 16h14

A candidata do PV à Presidência da República, Marina Silva, assumiu uma atitude mais crítica durante o debate promovido hoje na capital paulista pelo jornal "Folha de S.Paulo" e pelo portal UOL. No entanto, em entrevista após o evento, negou que tenha mudado o tom do seu discurso.

Na avaliação da presidenciável, o que mudou foi que surgiu uma oportunidade de debater de igual para igual com os adversários José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT). "Não mudei o tom", afirmou. "Foi um debate em que tive a oportunidade de interagir de igual para igual." Marina afirmou ainda que manteve a posição de discutir ideias, sem "pegadinhas", e elogiou o "currículo" dos três candidatos. "Existem aqui três pessoas de biografias respeitáveis, mas com visões diferentes de mundo."

Durante o debate, a candidata do PV criticou algumas vezes a gestão tucana em São Paulo, principalmente nas áreas de educação e saneamento básico. A presidenciável negou que tenha feito uma espécie de dobradinha com Dilma para atacar Serra. "As críticas que fiz a um, eu também fiz a outro. Se tivesse a oportunidade de fazer perguntas à ministra Dilma, teria feito da mesma forma que fiz ao governador Serra."

A candidata do PV criticou, ainda durante o debate, a reivindicação de paternidade de programas de governo, incluindo o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). "Estão querendo infantilizar a sociedade brasileira", reclamou. Para Marina, o eleitor deve ser tratado como adulto e não cabe nomear "pai, mãe e tio" de programas públicos.

No fim do evento, Marina censurou os adversários por apresentar, na opinião dela, discursos diferentes para públicos distintos. A candidata se referiu à resposta de Dilma sobre a política sobre aborto no Sistema Único de Saúde (SUS). Ao ser questionada sobre o assunto, a petista disse que é pessoalmente contrária ao aborto, mas que é favorável às políticas públicas para tratar da questão. "Eu não mudo de discurso quando mudo de ambiente. Por isso, eu me atrapalho menos", afirmou, ironizando a adversária.

A candidata do PV afirmou que sua curta aparição no programa eleitoral gratuito, veiculado ontem, teve o intuito de reforçar a gravidade dos problemas advindos do aquecimento global. Em 1 minuto e 23 segundos a que tem direito na propaganda, o PV mostrou imagens do planeta e alertou quanto aos riscos do aquecimento global. No fim da inserção, Marina apareceu rapidamente, dizendo apenas que é a candidata do PV. "Este é o momento dos brasileiros elegerem quem tem a visão de urgência que ali foi posta", justificou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.