Correção: Dantas desperdiçou oportunidade, diz MPF

A nota enviada anteriormente contém um erro. O indiciado Arthur Joaquim de Carvalho não é marido de Verônica Dantas. Segue o texto corrigido:

FAUSTO MACEDO, Agencia Estado

27 de abril de 2009 | 20h45

O procurador da República Rodrigo de Grandis, acusador do caso Satiagraha, disse hoje que o sócio-fundador do Grupo Opportunity, Daniel Dantas, "perdeu a oportunidade de oferecer sua versão sobre os fatos". O procurador aguarda a conclusão do inquérito para decidir se irá ou não oferecer denúncia para abertura de ação judicial contra Dantas. "Existem indícios de crimes financeiros e lavagem de dinheiro. Não por outro motivo o delegado o indiciou", afirmou o procurador. Ao analisar o silêncio do controlador do Grupo Opportunity hoje na Polícia Federal, o procurador declarou que considera a conduta de Dantas "incompatível com a postura daquele que se diz inocente".

Preso por duas vezes no ano passado e condenado a dez anos pelo crime de corrupção ativa, Dantas foi indiciado nesta manhã pela Polícia Federal por cinco crimes: gestão fraudulenta, formação de quadrilha, evasão de divisas, lavagem de dinheiro e empréstimo vedado. Também foram indiciados pelos mesmos crimes a irmã de Dantas, Verônica Dantas, o cunhado do banqueiro, Arthur Joaquim de Carvalho, a advogada do Grupo, Daniele Silbergleid, e os executivos Norberto Aguiar Tomaz e Eduardo Penido Monteiro.

Tudo o que sabemos sobre:
MPFSatiagrahaDaniel Dantas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.