Correção da tabela do IR une ACM e Barbalho

Os arquiinimigos senadores Jader Barbalho (PMDB-PA) e Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) uniram hoje em favor do projeto que corrige a tabela do imposto de renda na fonte, derrubado hoje pelo governo na Câmara. "Continuo achando que este projeto tem de ser aprovado e vamos nos mobilizar para isso", disse o presidente do Congresso, Jader Barbalho. "É preciso corrigir essa tabela em favor da população", observou o senador Antonio Carlos.Jader Barbalho anunciou que o PMDB vai fechar questão para defender a aprovação do projeto. Ele prometeu encaminhar aos presidentes da Câmara, deputado Aécio Neves (PSDB-MG), e da Comissão de Finanças e Tributação, Michel Temer (PMDB-SP), apoio por escrito ao projeto, por considerá-lo de "justiça social em favor do assalariado".Segundo Jader, não se pode ver o governo corrigir a tabela do imposto de renda na hora de cobrar e não fazer o mesmo na hora de beneficiar os que pagam a contribuição e que vivem de seus salários. "O País não é um escritório de contabilidade", disse ele, que não acredita em um posterior veto do presidente Fernando Henrique, caso a proposta venha a ser aprovada. "O Executivo vai se convencer de que é uma justiça fiscal", assegurou.Para Jader, o projeto não resultará na queda da arrecadação. "Os recursos todos caminham na economia e se houver dinheiro nas mãos dos assalariados evidentemente que eles vão consumir e, consumindo, inevitavelmente aquecem a economia e o governo continua ampliando sua arrecadação", disse Jader.ACM lembrou que "o governo já subiu a alíquota do IR para 28,5% sob a alegação de que ia diminuir o valor cobrado de quem ganha menos, por isso, agora tem de corrigir a tabela".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.