Corpos de brasileiras mortas serão cremados na Alemanha

Os corpos das irmãs brasileiras Hellen Borges, de 35 anos, e Danielle Borges, de 25 anos, assassinadas no dia 3, na Alemanha, serão cremados na quinta-feira, numa cidade vizinha a Dusseldorf, onde o crime aconteceu. Até esta terça-feira, a polícia continuava à procura do desempregado Ralf Lindenkohl, ex-namorado de Hellen e principal suspeito. Ele teria confessado os homicídios a uma ex-namorada, que acionou a polícia.Os corpos foram encontrados no dia 4, no sótão do apartamento que as irmãs dividiam. Tanto Hellen como Danielle levaram várias facadas no peito. No mesmo dia, o carro usado pelo suspeito foi achado, abandonado, num estacionamento.Hellen e Danielle nasceram em Mato Grosso e viviam há pelo menos cinco anos na Alemanha, onde atuavam como dançarinas no grupo de samba Phoenix. Danielle tinha um filho de 6 anos, que é deficiente e vive no Brasil. Uma amiga das vítimas, a também brasileira Sunay Lisboa, proprietária do restaurante Bossa Nova, em Dusseldorf, está coletando dinheiro para enviar ao garoto.Segundo Sunay, Lindenkohl era muito ciumento e violento e já tinha agredido e ameaçado Hellen várias vezes. "Ele dizia que, se ela o abandonasse, não ficaria viva", diz. "Ele ficava irritado até quando a gente conversava em português." A amiga acha que Danielle foi morta ao tentar impedir o assassinato da irmã. "Segundo a polícia, ela chegou a lutar com o criminoso." De acordo com Sunay, o crime chocou a cidade, que é uma das mais tranqüilas da Europa. "As pessoas ficaram arrasadas. Até o movimento no meu restaurante diminuiu."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.