Coronel Ustra expõe em site textos contra Jobim

A ameaça do ministro da Defesa, Nelson Jobim, de dar uma ''''resposta'''' a quem reagisse à publicação do livro que conta a versão oficial sobre os presos políticos desaparecidos durante o regime militar não surtiu efeito entre militares e seus parentes.Maria Joseíta Brilhante Ustra, mulher do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, que comandou o DOI-Codi em São Paulo entre 1970 e 1974, divulgou um artigo no site do marido lembrando que, na cerimônia de lançamento do livro na quinta-feira, no Palácio do Planalto, o regime dos militares foi muito criticado. ''''Jobim, por suas ameaças, lembrou o general Figueiredo, que disse, quando presidente da República, para quem fosse contra a abertura democrática: ''''Eu prendo e arrebento'''''''', citou ela no texto.Ustra é figura emblemática entre militares e vítimas da ditadura. O oficial está sendo julgado em processo movido pela família Telles, sob acusação de ser o responsável pelas torturas de Maria Amélia Telles e seu marido César Telles, Criméia, irmã de Maria Amélia, e os dois filhos do casal, Janaína e Edson, à época com 5 e 4 anos de idade.AUSÊNCIAPara Maria Joseíta, conhecida como Dona Jô, a ausência dos três comandantes das Forças Armadas na cerimônia do lançamento do livro tem um significado. ''''Pensa ele, ao afirmar que o comandante das FFAA sou eu, que pela sua agressividade, ao usar uma farda camuflada de general de quatro estrelas, ter conseguido incutir, na cabeça dos militares, tão espezinhados, suas idéias?''''Para a mulher do coronel, Jobim ''''não conhece nem a essência do cargo, uma vez que o comandante das Forças Armadas não é ele e, sim, o presidente da República''''.Na página da internet que é organizada pelo coronel (www.averdadesufocada.com), são muitas as manifestações de militares contra o ''''cala-boca'''' de Jobim. Ítalo Lobo avalia que ''''Jobim não é um comandante e nem um líder''''. ''''É apenas mais um politiqueiro querendo fazer fama em cima da situação.'''' O próprio Ustra assina uma lista para que os militares reajam contra a ordem. Eles escreveram: ''''Eu reajo.''''

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.