Cordeiro Lopes serviria de fachada para Casa Verre

Empresa contratada pelo Detran estaria sendo usada por grupo investigado pelo Ministério Público

André Mascarenhas, do estadao.com.br,

22 de janeiro de 2010 | 10h02

A suposta omissão do ex-governador Geraldo Alckmin, que teria recebido informações apontando a manipulação de um pregão do Detran de 2006, é mais uma página numa disputa pelo controle dos serviços de emplacamento de carros no Estado de São Paulo, que se estende desde o início dos anos 2000, quando a Casa Verre foi afastada da função no interior e região metropolitana de São Paulo. A empresa é investigada desde 1997 pelo Ministério Público Estadual por ter sido contratada pelo Detran sem licitação e por meio de contratos de emergência - a situação provocou a queda, em 2005, do então diretor do órgão, José Francisco Leigo.

 

Veja também:

link Alckmin foi avisado em 2006 de suspeita de fraude no Detran

 

Ela estaria por trás da vitória da Cordeiro Lopes em nove dos dez lotes de lacração e emplacamento de veículos do Estado, licitados no pregão de 2006. Segundo investigação do próprio Detran, a Cordeiro é suspeita de inflar prestações de contas dos serviços prestados ao Estado, num golpe que pode ter causado um prejuízo de R$ 40 milhões aos cofres públicos.

VEJA TAMBÉM:
Esquema desvia R$ 40 milhões do Detran
MP abre investigação para apurar desvios
Detran terá devassa em contratos
Fábrica ilegal funcionava no Detran
Polícia apreende lacres em firma irregular

 

"Você vê que o Detran não tomou cuidado nem de avaliar a capacitação técnica, societária, fiscal e produtiva da vencedora", diz o advogado empresarial Luiz Marcelo Breda Pereira, que participou do pregão de 2006.

 

Após operação da corregedoria do Detran na sede das duas empresas no último dia 14, novas evidências de que a Cordeiro Lopes serviria de fachada para a Casa Verre foram encontradas. Além das sedes das duas serem vizinhas e de possuírem o mesmo advogado, foi na Casa Verre que toda a documentação da Cordeiro foi localizada, como revelado pelo Estado no último dia 15. Levantamento feito pelo estadao.com.br junto ao cartório de registro de imóveis de Itú mostra que o imóvel utilizado pela Cordeiro Lopes para o emplacamento de veículos na cidade é de propriedade do dono da Casa Verre, Humberto Verre. A utilização da infraestrutura da empresa pela Cordeiro Lopes seria uma prática comum em todo o Estado.

 

 

Documentos obtidos junto ao cartório de registro de imóveis de Itú revelam ligação entre empresas  

 

Imóvel utilizado pela Cordeiro Lopes para o emplacamento de veículos é do dono da Casa Verre

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.