Copom poderia ter evitado recessão técnica, diz Aécio

O governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB-MG), comemorou o corte de juros pelo Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom), implementado ontem, mas observou que o País poderia ter escapado da recessão técnica se reduções de magnitude semelhante tivessem ocorrido ao final de 2008. "Acho que estão correndo atrás do prejuízo", afirmou sobre o corte de um ponto porcentual. "Foi um passo ousado e correto", elogiou.

NALU FERNANDES, Agencia Estado

11 de junho de 2009 | 19h12

Para o governador, que esteve hoje na Bolsa de Nova York (Nyse) um dia depois de ter feito palestra para investidores internacionais no Cemig Day, as condições no cenário de inflação que permitiram agora um novo corte de um ponto porcentual já estavam dadas na parte final do ano passado.

A expectativa agora, acrescentou Aécio, é que esta decisão do Copom "possa ter efeito a partir do segundo semestre para que possamos, quem sabe, terminar o ano zerando (o PIB)". Aécio diz que é "muito difícil" que o PIB brasileiro fique em território positivo em 2009.

Hoje, o governador de Minas Gerais tocou o sino de encerramento do pregão da bolsa norte-americana. Amanhã, Aécio Neves estará em Washington para reunião no Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), com o presidente da instituição, Luis Alberto Moreno, a fim de definir o cronograma de liberação de empréstimo para Minas Gerais.

Tudo o que sabemos sobre:
CopomAécio Nevesrecessão técnica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.