Copel indenizará índios por uso de recursos naturais

A Companhia Paranaense de Energia (Copel) fechou nesta terça-feira um acordo com os índios caingangues e vai pagar R$ 14 milhões como indenização pelo uso dos recursos naturais da reserva de Apucaraninha, em Tamarana, a cerca de 330 quilômetros de Curitiba, no norte do Estado.Pelo acordo, 20% serão pagos ainda este ano e o restante até 2011. O dinheiro vai para um fundo gerido pelos próprios índios, pela Fundação Nacional do Índio (Funai) e pelo Copel. Os valores serão utilizados em projetos socioambientais e de auto-sustentabilidade.O pagamento deve pôr fim à tensão entre os índios e os funcionários da Pequena Central Hidrelétrica, que fica dentro da reserva. Na semana passada, três funcionários foram mantidos como reféns e impedidos de deixar o local por dois dias. Houve ameaça de incêndio à usina. Depois, os índios ainda acamparam em frente às instalações da empresa.A reunião entre índios e Copel, com a presença do procurador da República João Akira Omoto, teve alguns momentos de tensão, e três interrupções foram feitas para discutir as propostas. O primeiro oferecimento da Copel foi de R$ 9 milhões, enquanto os índios pediam R$ 15 milhões.

Agencia Estado,

25 de outubro de 2006 | 10h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.