Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Coordenador jurídico da campanha de Dilma diz que repasses a marqueteiro foram legais

Flávio Caetano afirma em nota que empresas de João Santana receberam pagamento de cerca de R$ 70 milhões por serviços prestados e que dado consta na prestação de contas apresentada ao TSE

Beatriz Bulla, O Estado de S.Paulo

22 de fevereiro de 2016 | 20h15

BRASÍLIA - O coordenador jurídico da campanha eleitoral da presidente Dilma Rousseff, Flávio Caetano, divulgou nota nesta segunda-feira, 22, na qual ressalta que pagamento feito ao marqueteiro João Santana na disputa presidencial de 2014 foi "legal e absolutamente transparente". Santana, que atuou nas campanhas de Lula (2006) e Dilma (2010 e 2014) à Presidência da República, teve prisão temporária decretada no âmbito das investigações da Operação Lava Jato.

Em nota, o advogado da petista afirmou que as empresas do marqueteiro receberam pagamento de cerca de R$ 70 milhões em decorrência dos serviços prestados na campanha presidencial à reeleição de Dilma. O dado consta na prestação de contas apresentada ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e aprovada com ressalvas por unanimidade na Corte. "Este valor, por si só, demonstra que o pagamento feito ao publicitário se deu de forma legal e absolutamente transparente", afirmou Caetano.

O PSDB informou que irá pedir ao TSE a inclusão da decisão da Justiça Federal sobre a prisão de Santana nas ações movidas pelo PSDB na Corte para cassar a chapa formada por Dilma e pelo vice-presidente Michel Temer.

Na nota, o advogado da campanha de Dilma aponta que o delegado federal que assina a representação que ensejou a Operação Acarajé, deflagrada hoje no âmbito da Lava Jato, destaca que "não há, e isso deve ser ressaltado, indícios de que tais pagamentos estejam revestidos de ilegalidades", em relação aos pagamentos feitos pela campanha presidencial de Dilma.

"Repudiamos, com veemência, a tentativa de setores da oposição de, sem quaisquer elementos, buscar associar a investigação e as medidas cautelares determinadas pela Justiça Federal em relação ao publicitário João Santana e a campanha eleitoral da Presidenta Dilma Rousseff", escreveu Caetano. "Reafirmamos que na campanha da presidente Dilma Rousseff todas as despesas foram devida e regularmente contabilizadas", completou o advogado.

O pedido do PSDB para incluir a prisão de Santana nas ações do TSE deve ser encaminhado à Corte nesta terça-feira, 23.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.