Coordenador do PT reclama de 'manipulação de informação'

Coordenador do PT reclama de 'manipulação de informação'

Petista comparou disputa com Aécio à campanha de 1989 entre Collor e Lula

GUSTAVO PORTO, Estadão Conteúdo

13 de outubro de 2014 | 10h29

O coordenador financeiro da campanha da presidente Dilma Rousseff (PT) à reeleição, Edinho Silva, classificou o embate eleitoral no segundo turno entre a petista e o candidato da oposição, Aécio Neves (PSDB), como "uma guerra" e "um vale tudo", numa referência ao uso, pelo tucano, da divulgação de depoimentos do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa e do doleiro Alberto Youssef - os quais apontaram propinas pagas por empreiteiras em obras da Petrobras ao PT, PMDB e PP - partidos da base aliada do governo.

Silva engrossou o coro da própria presidente Dilma, que, na sexta-feira, 10 comparou a divulgação dos depoimentos em plena campanha do segundo turno a um "golpe". "Chegamos ao nível de manipulação de informação que só foi visto na eleição do (ex-presidente, Fernando) Collor em 1989", disse o coordenador, numa referência aos ataques feitos à época ao então candidato Luiz Inácio Lula da Silva, adversário de Collor, hoje senador reeleito por Alagoas e integrante da base aliada da Dilma.

"Abriu-se uma guerra e temos de enfrentá-la, pois estão criando um vale tudo sem precedentes e o exemplo disso é como o depoimento (de Costa e Youssef) foi parar na imprensa", afirmou.

Ainda segundo Silva, "a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e a Procuradoria Geral da República deveriam se posicionar" sobre a divulgação e o uso das denúncias envolvendo a Petrobras e o governo pela oposição. "Caso contrário, vai se criando um padrão de manipulação perigoso para todas as próximas eleições. Fico preocupado com o que vai acontecer com o futuro eleitoral", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.