Coordenador de Lula fala sobre decisão do TSE

O prefeito de Ribeirão Preto e atual coordenador da campanha de Luíz Inácio Lula da Silva à Presidência, Antônio Palocci Filho, disse nesta quarta-feira que não sabia se o PT iria recorrer da decisão do TSE de unificar as coligações no País junto ao Supremo Tribunal, mas afirmou que, em sua opinião, a medida gera certa polêmica. "Primeiro, pelo fato de ela estar sendo adotada com menos de um ano de antecedência das eleições. Segundo, porque nas últimas eleições em 98 as regras não foram estas. Isso quer dizer que as eleições de 98 foram feitas com bases ilegais, então?", questionou. Para Palocci, este fato e também o de o Congresso já ter afirmado que não há segunda compreensão da lei deve "ensejar recursos ao Supremo". "São inúmeras interpretações e não dá para avaliar aonde isso chega", avaliou.Palocci disse também que a decisão do TSE vai provocar "uma polarização das eleições". "Ainda não dá para saber quem sai mais fortalecido disso, não dá para avaliar se a medida favorece a oposição ou o governo, mas é um fato que altera radicalmente o quadro político", comentou. Questionado sobre quem sairia perdendo mais com a mudança das regras, se Serra ou Roseana, Palocci desconversou: "É muito complicado saber", mas pouco antes da entrevista estar sendo gravada, chegou a comentar: "A Roseana está com certeza numa condição difícil". Para o PT, segundo ele, a disposição para a formação de alianças continua. "Não há qualquer mudança no nosso comportamento. Há uma disposição para o diálogo e para a formação de alianças, não indistintamente, mas com partidos de esquerda e centro esquerda que configurem a formação de uma coligação democrática", disse Palocci, que esteve nesta quarta-feira no aeroporto de Ribeirão para recepcionar o governador Geraldo Alckmin (PSDB) em visita à cidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.