Coordenador da comissão da verdade reage a cobranças

Em resposta à cobrança por informações mais detalhadas sobre o andamento dos trabalhos da Comissão Nacional da Verdade, o coordenador do grupo, Paulo Sergio Pinheiro, disse nesta segunda-feira em São Paulo que "cada um tem seu estilo". "Eu não vou me mudar aos 70 anos para ser igual ao Ivan Seixas". Ele reagia à insinuação de que a Comissão Estadual da Verdade da Assembleia Legislativa de São Paulo - coordenada pelo ex-preso político Ivan Seixas - estaria avançando mais rápido em suas investigações do que a comissão nacional.

AE, Agência Estado

02 Abril 2013 | 08h46

O comentário de Pinheiro ocorreu pouco depois de um protesto feito pelo movimento Levante Popular, durante a abertura do acesso digital a documentos do antigo Departamento de Ordem Pública e Social (Dops) paulista, no Arquivo Público do Estado. Os jovens subiram ao palco, exibiram cartazes e cobraram "mais transparência" da comissão. Além disso, o grupo pediu a divulgação de relatórios parciais, a prorrogação do trabalho do colegiado por mais dois anos - o fim da comissão está previsto para maio de 2014 - e a organização de audiências públicas junto à sociedade. Segundo o jornal O Globo, a presidente Dilma Rousseff chegou a cobrar de Pinheiro a abertura ao público das informações obtidas. O coordenador, porém, quer apresentar os resultados só no relatório final.

O ex-ministro José Dirceu publicou nesta segunda, em seu blog, texto afirmando que a comissão se aproxima da metade de seu prazo tendo como maior feito a apuração do desaparecimento do deputado Rubens Paiva, ao qual "não trouxe muitas novidades". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
Comissão da Verdade cobranças

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.