Cooperativa pede legalização do garimpo em Apuí

A Cooperativa Extrativista Mineral Familiar do Juma (Cooperjuma), formada por 109 dos cerca de 6 mil garimpeiros que exploraram há mais de dois meses o ouro no rio Juma, nos arredores de Apuí, a 453 quilômetros de Manaus, solicitou nesta terça-feira ao Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) a legalização do garimpo. O presidente da Cooperativa, Antônio Pereira da Silva, está organizando um plano de gestão para apresentar ao DNPM e à Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SDS) para basear o pedido de legalização da área.Para regulamentar o garimpo é necessária uma autorização do DNPM e de uma licença ambiental do governo do Amazonas. Segundo a assessoria do DNPM, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) já atestou que o garimpeiro José Ferreira da Silva Filho, o Zé Capeta, que se apresentava aos garimpeiros como dono da área e cobrava de 8% a 10% de porcentagem pela extração de ouro, não é o proprietário da área. Como as terras são da União, cabe então ao DNPM dar ou não a licença para a exploração legal do ouro, que já é feita ilegalmente desde novembro do ano passado.A Polícia Militar do Amazonas enviou nesta terça 60 homens para reforçar o policiamento em Apuí e no município vizinho, Novo Aripuanã, a 227 quilômetros de Manaus, as principais entradas para o garimpo do rio Juma. Desde a descoberta de ouro, o local que hoje é uma verdadeiro povoado no meio da selva já recebeu garimpeiros principalmente dos Estados do Pará, Mato Grosso e Rondônia, segundo dados da SDS.Devido ao grande fluxo de pessoas que chegam aos dois municípios, os policiais vão criar barreiras nos portos e estradas de acesso. Com as blitze, a PM pretende impedir a entrada de drogas e principalmente de armas no garimpo. A assessoria da PM informou ainda que os carros, caminhões ou motos que estiverem transportando pessoas irregularmente também serão vistoriados. Desde o último domingo, a PM instalou um posto policial no garimpo, com 12 homens. Eles estão instalados em um barracão no povoado que surgiu com aparecimento do garimpo. Os PMs tentam impedir a violência no local, além do uso de armas e drogas. Durante o dia, eles patrulham as trilhas que levam às grotas (barrancos onde os garimpeiros extraem o ouro). Além do efetivo de PMs, as duas cidades vão receber também dois carros de polícia, um trailer e um ônibus, para ajudar nas ações de policiamento preventivo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.