Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Conversa de Lula com empreiteiras é 'natural', defende líder do PT na Câmara

Para Sibá Machado, impactos financeiros provocados pela Lava Jato explicam o fato de executivos recorrerem a ex-presidente

DANIEL CARVALHO , O Estado de S. Paulo

20 Fevereiro 2015 | 10h53

Brasília - Líder do PT na Câmara, o deputado Sibá Machado (AC) considera "natural" empreiteiras investigadas pela Operação Lava Jato terem procurado o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em busca de intervenção para evitar o colapso econômico das empresas.

"Seguramente [é natural as empreiteiras procurarem o ex-presidente Lula]. O que é que está em discussão independentemente da investigação? É que as empresas, várias delas, estão paralisando obras importantes para o País", afirmou Machado nesta sexta-feira, 20.

Reportagem do Estado mostra que o ex-presidente e seu sócio no Instituto Lula, Paulo Okamotto, receberam executivos da UTC/Constran, OAS e Odebrecht, todas investigadas pela operação que apura esquema de corrupção envolvendo a Petrobrás.  

Apesar de afirmar não ter "nenhuma certeza" de encontros entre empresários e Lula, Sibá Machado defendeu as conversas para evitar que obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) sejam paralisadas. "Há uma crise hoje em várias delas [empresas], com demissões, com obras que certamente terão dificuldade de continuar. Então, em relação a isso, acho que tem que procurar quem pode conversar para ver se se encontra uma alternativa em relação a esta situação", disse o líder petista. "Defendo que se faça essa conversa", afirmou.

O PT ainda não indicou nomes para integrar a CPI que investigará na Câmara a corrupção na Petrobrás. As indicações devem acontecer até a próxima quarta-feira (25), pois a comissão será instalada pelo presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), no dia seguinte. O PT tenta ficar com a relatoria da CPI. O nome defendido pelo partido é o do gaúcho Marco Maia, que resiste em aceitar a missão. A segunda opção do PT é Vicente Cândido (PT-SP), que, segundo Sibá Machado, se colocou à disposição do partido para ocupar o cargo.

Mais conteúdo sobre:
Operação Lava Jato Lula Sibá Machado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.