Convenção tucana vira briga judicial

Disputa entre serristas e alckmistas provoca pedido na Justiça para cancelar eleição de novo Diretório Municipal

Silvia Amorim, O Estadao de S.Paulo

07 Setembro 2015 | 00h00

A falta de consenso entre os grupos de José Serra e de Geraldo Alckmin para a escolha do nome do novo presidente do diretório do PSDB na capital paulista levou a disputa para os tribunais. Ontem, um militante do partido ingressou na Justiça Eleitoral com pedido de anulação da convenção municipal, marcada para amanhã. Até a noite, não havia uma decisão sobre a representação.Sílvio Silva, ex-integrante da Executiva Municipal em São Paulo, alega que o processo de eleição do novo comando está se dando de forma irregular, ferindo o estatuto do partido. O cancelamento do pleito deste domingo também foi solicitado ao Diretório Estadual do PSDB. O presidente em exercício do diretório, deputado Mendes Thame, não foi localizado ontem para informar se a convenção seria suspensa.A confusão se deve ao racha no PSDB entre alckmistas e serristas. Mas o pano de fundo da crise, desta vez, é a eleição de 2008. O cargo de presidente do Diretório Municipal é considerado estratégico, dizem tucanos de ambos os lados, na hora de definir o candidato do partido à Prefeitura de São Paulo. Há quem defenda uma aliança com o atual prefeito, Gilberto Kassab (DEM), e quem não abra mão de candidatura própria com Alckmin.Há dois meses a legenda tenta construir uma chapa de consenso para o comando do Diretório Municipal, mas sem sucesso. Aliados do vereador Gilberto Natalini, um dos postulantes ao cargo de presidente, dizem que a crise se agravou depois que ele recebeu um recado de interlocutores da cúpula do partido para que não saia candidato no domingo. O vereador teria grandes chances de vitória, mas seu nome não teria sido aceito nem por Alckmin nem por Serra. A justificativa é de que sua vitória acirraria ainda mais a crise tucana, já que alckimistas dizem que ele não trabalharia pela candidatura do ex-governador. Natalini nega e já declarou que Alckmin será seu candidato.O outro concorrente é o atual presidente do diretório, vereador Tião Farias, mais ligado a Alckmin. É provável que os dois fiquem fora do páreo. O nome do secretário estadual de Relações Institucionais, José Henrique Reis Lobo, que tem bom trânsito entre as duas alas do partido, é citado como o nome de consenso. Ele nega que tenha interesse em assumir a legenda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.