Convenção do PSDB ameaça embaraçar o governo

Apesar do nervosismo do governo e da nota da executiva nacional do PSDB contra o fechamento de questão em favor da cassação dos dois parlamentares envolvidos na fraude do painel do Senado, Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) e José Roberto Arruda (sem partido-DF), parece que não vai ter jeito de segurar a base do partido, reunida para a convenção nacional tucana, em Brasília. Além da moção do deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), pedindo a cassação, a juventude do PSDB promete fazer muito barulho em defesa da ética, na convenção que reúne tucanos de todo o País em Brasília. "A convenção que homenageia o governador Mário Covas como exemplo de ética na política não pode deixar de ter uma posição clara pela cassação de ACM e Arruda", defende o presidente nacional da juventude tucana, Adolfo Konder. A direção atual do partido é formada basicamente por parlamentares, mas a nova vai incluir governadores e ministros políticos. Para facilitar as composições e contemplar os interesses de presidenciáveis em disputas internas, como o governador do Ceará, Tasso Jereissati (PSDB), e o ministro da Saúde, José Serra (PSDB), a nova executiva terá cinco vice-presidentes. Na lista de hoje, constavam como vices os nomes do governador do Pará, Almir Gabriel (PSDB), o do senador Geraldo Melo (RN), do líder do governo no Congresso, deputado Arthur Virgílio Neto (AM) e do ex-governador de Minas Eduardo Azeredo, além do deputado Alberto Goldman (SP). Fernando Henrique Cardoso será nomeado amanhã presidente de honra do partido, posto honorífico vago desde a morte do ex-governador Franco Montoro. "O presidente só vai chegar no final da convenção, com tudo resolvido", garante um dos organizadores do encontro. FHC quer evitar sua presença em debates que envolvam a cassação de ACM, para que senadores baianos não se sintam tentados a dar o troco, assinando o requerimento em favor da nova CPI da Corrupção. Hoje, nenhum representante da cúpula do partido compareceu à convenção. O racionamento de energia, aliado à preocupação com a nova ameaça de abertura da CPI e a possibilidade, inconveniente para o governo, das manifestações em favor da cassação de ACM, afastaram a cúpula tucana da convenção nacional. Prefeitos aguardaram a tarde inteira a presença dos dirigentes do partido e do candidato único a presidente do PSDB, deputado José Aníbal (SP). Em vão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.