Convenção do PMDB deve discutir candidato próprio

O líder do PMDB na Câmara dos Deputados, Geddel Vieira Lima (BA), disse hoje pela manhã, durante reunião do partido no Congresso, que a possibilidade de candidatura própria à Presidência da República não significaria ruptura com o governo. "Podemos optar por um candidato de unificação, que atenda tanto ao PFL como ao PMDB", avaliou o deputado.A escolha de lançar candidato próprio, segundo Geddel, deve ser um dos principais assuntos da Convenção Nacional do partido, marcada para amanhã, no ginásio do Colégio Marista, em Brasília. Além do debate presidencial, a reunião vai definir o próximo presidente do partido. Duas chapas concorrerão, uma representada pelo deputado Michel Temer (SP) e a outra pelo senador Maguito Vilela (GO). A expectativa é que o deputado Michel Temer ganhe a disputa com até 70% dos votos. "Se eu ganhar, a partir de segunda-feira a prioridade será promover a unidade do PMDB", disse Temer. O deputado completou também que caso ele ganhe, o senador Maguito Vilela será candidato ao governo do Estado de Goiás. "Maguito será um forte candidato e daremos todo o nosso apoio", completou. Michel Temer também comentou as últimas declarações do vice-governador de Minas Gerais, Newton Cardoso, de que os peemedebistas aliados ao governador Itamar franco estão dispostos a "baixar o nível" durante a convenção. "Foi um momento infeliz já que as declarações podem mobilizar negativamente alguns delegados", disse. Para garantir a paz durante o encontro, segundo Temer, o Governo do Distrito Federal vai disponibilizar policiais e seguranças. A idéia é fazer com que não aconteça maiores transtornos, como na última convenção de 1998. "Vamos utilizar um policiamento ostensivo vara inibir este tipo de bagunça", completou o deputado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.