Contribuinte pode ter de pagar viagem de senadores à Cuba

O dilema dos petistas no trato com o governo do presidente cubano, Fidel Castro, pode resultar num gasto a mais para os contribuintes brasileiros. São eles quem devem custear a ida a Cuba de um grupo de senadores "para conhecer mais de perto a realidade vivida pelo povo cubano" e expressar a preocupação dos parlamentares com o desrespeitos aos direitos humanos e aos direitos políticos e sociais das população da ilha.A sugestão da viagem foi apresentado no parecer em que o líder do bloco do governo, Tião Viana (PT-AC), rejeita a moção de repúdio contra o governo cubano em decorrência da prisão, julgamento sumário e fuzilamento de três cidadãos cubanos. Autores da proposta de moção, os líderes do PFL, José Agripino (RN), do PSDB, Arthur Virgílio (AM) e do PDT, Jefferson Péres (AM), querem também que o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva adote uma posição de defesa dos dissidentes cubanos. A votação do parecer de Viana foi adiada para a próxima terça-feira. O líder disse que adotou uma postura "intermediária, que não seja de truculência com Cuba" para evitar que o isolamento daquele país agrave ainda mais a situação dos direitos humanos. "Adotamos o repúdio com civilidade, em respeito às relações internacionais do Brasil com Cuba", alegou. Seu parecer ataca "a política de bloqueio criminal, uma verdadeira guerra de dimensão econômica, comercial, financeira, política e diplomática, que trouxe como conseqüência a morte de 3.478 cidadãos cubanos e a mutilação de outros 2.099, entre outros danos humanos". Segundo ele, os prejuízos daquele país em razão do bloqueio econômico são estimados em torno de US$ 70 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.