Contratos firmados com Cuba somam apenas US$ 200 mi

Expectativa de acordos no total de US$1 bilhão não se concretiza.

Denize Bacoccina, BBC

16 Janeiro 2008 | 13h35

Apesar da expectativa de que a visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva a Cuba fosse render o fechamento de vários contratos de exportação de bens e serviços no total de U$ 1 bilhão, apenas um acordo foi firmado em Havana: o que amplia para US$ 200 milhões a linha de crédito para a exportação de alimentos brasileiros. O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge, explicou que haverá uma linha de crédito de US$ 100 milhões, rotativa, somente para exportação de alimentos. Quando este valor for atingido, o governo brasileiro vai liberar outro financiamento do mesmo valor.A expectativa de que fossem assinados acordos de financiamento de quase US$ 1 bilhão nesta visita, surgida de negociações na semana passada entre as delegações dos dois países, não se concretizou. Ficou sem conclusão o maior dos contratos, no valor de mais de US$ 600 milhões para a construção de rodovias cubanas por construtoras brasileiras.O financiamento deste projeto é uma demanda do governo cubano que também interessa às construtoras que fariam as obras - a Odebrecht já faz estudos técnicos no país - mas ainda não houve uma resposta do governo brasileiro.Golfo do MéxicoA Petrobras assinou com a Companhia Cubana de Petróleo (Cupet) um acordo para pesquisa conjunta para exploração e extração de petróleo no Golfo do México. Outro compromisso prevê a instalação no país de uma fábrica de lubrificantes. O valor do investimento não foi divulgado pela Petrobras.As duas empresas ainda fizeram um acordo para atuação conjunta no refino - ampliação de refinarias existentes ou construção de uma nova - e para cooperação técnica para manutenção de equipamento, pesquisa e recurso humanos.No total, foram assinados oito acordos. Questionado sobre se era uma boa hora para se investir em Cuba, já que o país estava se abrindo para o capital estrangeiro, Lula disse que "sempre é hora" de investir em Cuba. "É sempre o momento de fazer investimentos nos países do seu continente", afirmou o presidente.O último compromisso nesta terça-feira do presidente Lula é uma visita à Escola Latino-Americana de Medicina (Elam), onde estudam ou já estudaram cerca de mil alunos brasileiros, que não têm o diploma de médico reconhecido pela legislação brasileira.Lula deve anunciar que quatro universidades federais brasileiras já concordaram em revalidar o diploma, desde que os médicos formados em Cuba façam um curso complementar.Um projeto para revalidar os diplomas está em tramitação no Congresso brasileiro.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
lulacubaacordos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.