Contratos do metrô são sempre revisados, diz Alckmin

Questionado nesta quarta-feira, 21, sobre as investigações de contratos vigentes do Metrô de São Paulo pelo Ministério Público Estadual, o governador Geraldo Alckmin defendeu simplesmente a "transparência absoluta" no inquérito. O jornal O Estado de S. Paulo revelou, na edição desta quarta, que promotores veem indícios de que o cartel do setor metroferroviário pode ter ocorrido também em contratos atuais.

MÔNICA REOLOM, Agência Estado

21 de agosto de 2013 | 15h43

A multinacional alemã, Siemens, delatou ao Conselho Administrativo de Direito Econômico (Cade), ligado ao Ministério da Justiça, a existência de um esquema de cartel, envolvendo 20 empresas, de 1998 a 2008. Um ex-executivo da Siemens, porém, subsidia o Ministério Público com informações que podem levar à conclusão sobre a continuidade do esquema.

Em evento no Palácio dos Bandeirantes nesta manhã, o governador ainda disse que o Estado é o maior interessado na verdade e que as empresas envolvidas no cartel do Metrô serão punidas "exemplarmente", além de terem de ressarcir o poder público.

Alckmin também salientou que os contratos já são revisados de forma permanente pela controladoria do Estado. "Revisão e análise de contrato não tem problema (que sejam feitos). Quanto mais transparência tiver, melhor", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
Geraldo Alckmincaso Siemens

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.