Contratada da estatal doou a Jucá

Em 2006, PMDB de Roraima recebeu R$ 200 mil de construtora

Marcelo de Moraes, O Estadao de S.Paulo

26 de maio de 2009 | 00h00

Apontado como o provável relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobrás, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), recebeu doações de campanha de empresa que mantém contratos com a estatal. Na sua campanha ao governo de Roraima, em 2006, quando foi derrotado, Jucá obteve repasses de doações recebidas pelo Comitê Financeiro Único do PMDB estadual, num total de cerca de R$ 1,4 milhão. Uma das doadoras ao Comitê peemedebista foi a Construtora Andrade Gutierrez, que abasteceu os cofres da campanha do partido em Roraima com R$ 200 mil.Como ainda não foi instalada, a CPI não tem um roteiro definido para suas investigações. Mas os contratos assinados pela empresa, especialmente os de grande porte, poderão entrar na lista dos temas que serão analisados pelos senadores dentro da comissão.Assim, se for confirmado como relator, Jucá poderá ter que se debruçar sobre contratos de grande vulto assinados pela Petrobrás justamente com a Andrade Gutierrez e com outras construtoras que também sejam importantes colaboradoras de campanhas eleitorais.No caso específico da Andrade Gutierrez, a empresa participa de parcerias expressivas com a Petrobrás. Somente levando em consideração os contratos assinados pela estatal no ano passado, o terceiro de maior vulto conta com a participação da construtora. Trata-se do contrato assinado para a criação de novas unidades na modernização da Carteira de Diesel da Refinaria Landulpho Alves (RLAM), em Mataripe (BA). O acordo pagará cerca de R$ 1,32 bilhão para as empresas Andrade Gutierrez e Techint.Existem pelo menos mais dois contratos de grande porte assinados com a Petrobrás em 2008 com a atuação efetiva da construtora. Um deles, no total de R$ 849,9 milhões, trata da criação do novo Centro de Pesquisas e Desenvolvimento da Petrobrás (Cenpes), na Cidade Universitária, na Ilha do Fundão (RJ), e será feito pelo Consórcio AG-Tech, formado pelas construtoras Andrade Gutierrez e Techint.Outro, no valor de R$ 819,8 milhões, será responsável pelas obras de terraplenagem do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). A execução do projeto ficará com o Consórcio Terraplenagem Comperj, formado pelas empresas Queiroz Galvão, Andrade Gutierrez e Norberto Odebrecht.Além disso, no ano passado, a construtora também fez doações diretas para o PMDB, partido de Jucá, como aparece na prestação de contas apresentada pelo partido ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Entre diversas doações recebidas de empreiteiras, o PMDB recebeu R$ 300 mil da Andrade Gutierrez.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.