Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Contrariei interesses e por isso paguei e pago um elevado preço, diz Dilma

Em discurso de defesa no Senado, presidente afastada também criticou o presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha e falou que sua gestão foi prejudicada pelas 'pautas-bomba' no parlamento, que prejudicaram a economia e dificultaram a busca do reequilíbrio fiscal

Elizabeth Lopes, Igor Gadelha e Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

29 Agosto 2016 | 10h46

BRASÍLIA - Em sua defesa no plenário do Senado nesta segunda-feira, 29, a presidente afastada Dilma Rousseff disse que o impeachment tornou-se assunto central da pauta política e da imprensa, dois meses após a sua reeleição. E destacou que os partidos que apoiavam o seu principal oponente nas urnas, no pleito presidencial de outubro de 2014, o tucano Aécio Neves (PSDB), "fizeram de tudo" para impedir a sua posse e estabilidade."Queriam o poder a qualquer preço e tudo fizeram para desestabilizar a mim e a meu governo", emendou. E disse que por ter contrariado interesses, pagou e paga um elevado preço.

No discurso, ela criticou também o presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e falou que sua gestão foi prejudicada pelas chamadas 'pautas-bomba' no parlamento, que prejudicaram a economia e dificultaram a busca do reequilíbrio fiscal. "Foi criado assim o ambiente de instabilidade política."

"Contrariei interesses e por isso pago um preço alto", disse a presidente afastada na sua defesa, ressaltando que o processo de impeachment só foi aprovado por conta da "chantagem implícita" de Cunha, que não queria que seu processo de cassação fosse aberto. E frisou o fato de não ter se curvado à chantagem do peemedebista motivou a abertura de seu processo de impedimento.

No discurso, a petista disse que "curiosamente, estarei sendo julgada por um crime que não cometi" e criticou novamente Cunha. "Ironia da história? Não, de maneira nenhuma", respondeu, dizendo que a abertura de seu processo de impeachment foi um fato que teve a cumplicidade e apoio de setores da mídia. "Encontraram na pessoa do ex-presidente da Câmara o vértice de sua aliança golpista."

Golpe. A presidente afastada disse também em sua defesa que se o impeachment se concretizar, o País estará "a um passo da concretização de um verdadeiro golpe de Estado." Na sua avaliação, a abertura do processo se deu em razão de não ter curvado às chantagens de Cunha (PMDB-RJ). "Este processo de impeachment foi aberto por chantagem explícita de Cunha, mas nunca aceitei em minha vida ameaças e chantagens." E frisou: "Se tivesse me acumpliciado, não correria o risco de ser condenada injustamente."

No discurso, Dilma disse que ela e seu padrinho político, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, deram todas as condições para que as investigações em curso no País fossem realizadas. "Assegurei autonomia do Ministério Público."

Ainda no discurso, a petista justificou o que considera de injustiça do processo de impeachment, destacando que tem orgulho de não ter enriquecido em cargo político e nem conta no exterior. E frisou que hoje "viola-se a democracia e pune-se uma inocente." E repetiu que o País está a um passo da consumação de uma grave ruptura institucional.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.