Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Contra verba para carnaval do Rio, deputado diz que pode mudar voto sobre denúncia

Newton Cardoso Jr. (PMDB-MG) afirma ser falta de 'bom senso' decisão do Planalto a favor do calendário carioca; aliado de Temer, Carlos Marun (PMDB-MS) chamou as críticas de 'indignas'

Daiene Cardoso e Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

26 de julho de 2017 | 15h07

BRASÍLIA - A liberação de R$ 13 milhões para o desfile das escolas de samba do carnaval do Rio pode abrir uma nova crise entre o governo e a bancada do PMDB na Câmara. Inconformado com a ajuda do governo federal, o deputado Newton Cardoso Jr. (PMDB-MG) reclama que há outras prioridades no País e alerta que a concessão às agremiações cariocas gera um desgaste com o eleitorado, o que pode levar deputados a votar a favor da denúncia contra o presidente Michel Temer, na próxima semana. Ele mesmo revelou que tendia a votar contra a denúncia, mas agora poderá rever seu posicionamento.

Cardoso Jr. é relator na Câmara do novo Refis, que incluiu perdão de até 99% das multas e juros das dívidas da União. Conforme noticiou o Estado em 19 de julho, o deputado mineiro deve à União R$ 51 milhões. Ele é presidente da Companhia Siderúrgica Pitangui, que detém dívida ativa de R$ 48,7 milhões com a União. O restante se trata de uma dívida de R$ 2,3 milhões da NC Participações e Consultoria, da qual o deputado seria diretor.

Diante da decisão da prefeitura do Rio em reduzir em 50% os repasses ao desfile de 2018, o governo resolveu abrir os cofres. Apesar do prefeito Marcelo Crivella ter cortado R$ 6,5 milhões, o presidente da Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (Liesa), Jorge Luiz Castanheira Alexandre, disse na terça-feira, 25, a Temer que eram necessários R$ 13 milhões para garantir o carnaval do ano que vem e saiu do Palácio do Planalto com a garantia de que o aporte será feito.

A concessão gerou revolta no grupo de WhatsApp do PMDB na Câmara. Cardoso Jr. e Lúcio Mosquini (RO) reclamaram da promessa de repasse ao carnaval carioca. Houve ainda quem criticasse o sinal trocado do Palácio do Planalto de liberar recursos poucos dias após anunciar aumento de impostos sobre combustíveis para ajudar no fechamento das contas públicas.

Peemedebistas do Rio, por sua vez, rebateram as críticas. Segundo o Estado/Broadcast Político apurou, os deputados fluminenses Pedro Paulo e Laura Carneiro saíram em defesa do repasse. Deputado licenciado, o ministro dos Esportes, Leonardo Picciani (RJ), também defendeu a iniciativa do governo. Em tom de ironia, sugeriu a cobrança do ICMS no local de produção do petróleo, o que favorece diretamente o Rio, Estado considerado o maior produtor do óleo do Brasil. Hoje, o imposto é taxado no local de consumo.

Ao Estado/Broadcast Político, Cardoso disse que vai cobrar de Temer uma audiência para tratar de uma barragem inacabada na região do Alto Rio Pardo, interior de Minas Gerais, onde a população vive em condição permanente de seca. "Tem dinheiro para carnaval e não tem para isso? Desculpa, é uma falta de senso completo", protestou. O deputado mineiro alega que "ninguém vai morrer" se o Rio de Janeiro ficar um ano sem carnaval. "Além de todas as denúncias e de todos os problemas, ainda tem de liberar dinheiro para farra? É muito difícil, é algo que beira o absurdo", emendou.

Cardoso disse acreditar que a medida pode influenciar o voto de parlamentares na próxima semana, quando haverá a votação no plenário da Câmara da denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR). Ele revelou que tendia a votar contra a denúncia, mas indicou que pode mudar seu voto. "Nossa avaliação acaba sendo muito influenciada por essas coisas também, a gente sofre muito com isso, pode até mudar nossa posição. Eu me sinto muito prejudicado por essas coisas que acontecem", justificou.

Para o deputado, a liberação de recursos não poderia ter ocorrido "em hora pior" e que a medida deveria ter sido anunciada no fim do ano. Cardoso disse que não é contra o carnaval, reconheceu que é um evento importante para o turismo nacional, mas alegou que a festa não pode se resumir só ao Rio. "O Rio quer recuperar a imagem nacional, que recupere, mas não através do carnaval. Que recupere através de ações éticas e ações práticas de cuidar da saúde, da violência, e não fazer uma cortina de fumaça através do carnaval", completou.

Tropa-de-choque. Um dos mais aguerridos defensores do presidente Michel Temer e um dos vice-líderes do PMDB na Câmara, o deputado Carlos Marun (MS) chamou de "indignas" e "completamente absurdas" as críticas feitas por peemedebistas contra a promessa do governo de liberar R$ 13 milhões para o desfile das escolas de samba do carnaval do Rio. Ele prometeu procurar os deputados críticos para conversar sobre o assunto.

"Penso que essas atitudes são indignas. Carnaval do Rio de Janeiro, que penso que é uma ação cultural, não tem a ver com a ofensa que está se fazendo ao presidente. Ou por acaso o fato de o presidente da República apoiar, entender que carnaval é cultura, que carnaval é importante para o Turismo e autorizar o ministro da Cultura a fazer algum tipo de apoio, corrobora a denúncia? Então, entendo como completamente absurdas essas posições", reagiu Marun.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.