Contra-ataque de Marina se estende para redes sociais

Tática dos marineiros de sair da defensiva, no que a campanha vem chamando de postura mais 'enfática', chegou também ao perfil no Facebook

ANA FERNANDES, Estadão Conteúdo

25 de setembro de 2014 | 13h37

A tática dos marineiros de sair da defensiva, no que a campanha vem chamando de postura mais "enfática", chegou também ao perfil no Facebook de Marina Silva (PSB). Na manhã desta quinta-feira, 25, a página da candidata na rede social traz um post com imagem que diz "Governo Dilma segue afundando a Petrobrás", com uma representação gráfica embaixo mostrando que a estatal passou de 12.ª maior empresa do mundo, em 2010, para 120.ª maior em 2014. No post, o perfil remete para matéria do Estado com dados do britânico Financial Times e que corrobora a queda de valor da estatal.

Nesta quarta, o perfil de Marina, apesar de ainda trazer um post "defensivo", reforçando o discurso de que ela pretende manter o Bolsa Família, também trouxe um post atacando a fala de Dilma do "aumentinho" no desmatamento em 2013. A imagem diz "29% a mais de desmatamento não é só um ''aumentinho''", embaixo do desenho de duas motosserras cruzadas e com a imagem de árvores cortadas como pano de fundo.

Na terça-feira, 23, o perfil já trazia também um post ressaltando que Dilma e o tucano Aécio Neves não entregaram programa de governo e outro com crítica ao crescimento do PIB previsto para 2014, cuja expectativa do próprio governo foi reajustada para baixo de 1,8% para 0,9%.

A estratégia na rede social replica assim o modelo que Marina passou a adotar na propaganda de TV e nos próprios discursos, de contra-ataque, principalmente ao PT. A partir desta semana, o programa de Marina parou de apenas se defender e usou o tempo de TV para citar temas incômodos para o governo, como denúncias de corrupção na Petrobrás.

O contra-ataque, segundo o presidente nacional do PSB, Roberto Amaral, está dando resultado. O dirigente disse nesta quarta que pesquisas qualitativas internas têm mostrado que a estratégia é acertada pois tem ajudado a consolidar o eleitorado de Marina. "Não vamos entrar no jogo do PT, aceitar a pauta do PT, nós vamos construir a nossa pauta", disse Amaral ao participar de um evento na capital paulista.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesMarinaredes sociais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.