Contas de Erundina dependem do PPB

A bancada do PSB deverá fazer um acordo político com o PPB do ex-prefeito Paulo Maluf para aprovar, na Câmara Municipal de São Paulo, as contas da ex-prefeita Luiza Erundina (PSB, ex-PT), que teve suas contas referentes ao exercício de 1992 rejeitadas pelo Tribunal de Contas do Município (TCM). A manobra está sendo articulada pelo líder do PSB na Casa, vereador Rubens Calvo. Para rejeitar o parecer do tribunal, Erundina precisa de 37 votos favoráveis em plenário. Para manter o parecer, são necessários apenas 19 votos. "Eu tenho essa missão aqui na Câmara", afirma Calvo. "O parecer contra Erundina foi uma decisão política." Se tiver contas reprovadas na Câmara, o político pode ficar inelegível por cinco anos. Paulo Maluf (PPB) também terá suas contas analisadas pela Casa, referentes ao exercício de 1994. Ele obteve parecer positivo do TCM e precisa apenas de 19 votos em plenário. O objetivo do PSB é ?não atrapalhar" a votação das contas de Maluf e obter o apoio do PPB (que tem os 19 votos para aprovar as contas de Maluf), do PT, que conta com 16 votos, e os dois do PSB, que somariam os 37 votos necessários para Erundina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.