Contagem de presos no PR termina amanhã

O diretor interino da Penitenciária Central do Estado do Paraná (PCE), tenente-coronel Nemésio Xavier de França, espera encerrar amanhã a contagem dos presos na unidade, que foi tomada por uma rebelião entre os dias 6 e 12. No mesmo dia em que se encerrou a rebelião apareceram boatos de que faltariam cerca de 80 presos, mas França disse que não tinha sido feita nenhuma contagem oficial. "A fonte não é a Polícia Militar", afirmou. Desde que terminou a rebelião, somente a PM teve acesso à parte interna da penitenciária. Ele disse que o trabalho está sendo muito cuidadoso. "Quero fazer um trabalho que não deixe dúvidas para ninguém", declarou. Todos os presos estão sendo recadastrados, têm os documentos conferidos e são colhidas impressões digitais. Na última contagem, antes da rebelião, havia 1.371 presos na PCE, mas 23 foram transferidos e três morreram. Na contagem, também está sendo levantado o número de presos doentes e os medicamentos utilizados. França, que é comandante do Batalhão de Polícia de Guarda, assumiu a direção da PCE após pedido de demissão do ex-diretor Luiz Carlos Couto. Segunda-feira, ele realizará a primeira reunião administrativa. Couto teria alegado ao secretário de Segurança Pública, José Tavares, não ter mais condições de continuar à frente da unidade, em função da morte do agente penitenciário Luciano Aparecido Amâncio. Mas, em entrevista, ainda antes do término da rebelião, o secretário havia demonstrado insatisfação com a direção, sobretudo pelo fato de o preso José Márcio Felício, o Geléia, ter sido colocado diretamente no convívio com os outros presos ao ser transferido da Prisão Provisória de Curitiba para a PCE. Felício foi o líder da rebelião.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.