Contag faz manifestação indireta de apoio a Dilma

O presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), Alberto Broch, defendeu hoje a continuidade do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em discurso feito na porta do Ministério da Educação. A manifestação indireta de apoio à candidata petista Dilma Rousseff aconteceu durante a marcha pela Esplanada dos Ministérios, promovida pela Contag dentro do 2º Festival Nacional da Juventude Rural.

MARCELO DE MORAES, Agência Estado

28 Julho 2010 | 19h44

Apenas nos primeiros sete meses de 2010, a entidade de trabalhadores rurais já recebeu cerca de R$ 2,5 milhões em recursos federais, provenientes de convênios com ministérios e órgãos públicos, segundo levantamento feito pela Assessoria de Orçamento da Liderança do Democratas no Senado. Os convênios foram assinados com o Ministério do Desenvolvimento Agrário e com a Secretaria de Políticas para Mulheres.

Além disso, o 2º Festival Nacional da Juventude Rural tem patrocínio justamente de empresas do governo federal, como a Caixa Econômica Federal, Petrobras e Banco do Nordeste. A Contag representa aproximadamente 20 milhões de trabalhadores rurais e deu apoio à candidatura de Lula nas eleições presidenciais de 2002 e 2006

Há cerca de duas semanas, Dilma se encontrou com os integrantes da Contag, recebendo um documento com as reivindicações da entidade para o campo. Na ocasião, ela afirmou ser aliada dos movimentos sociais e chegou a afirmar que seu adversário, o tucano José Serra, supostamente queria acabar com o Ministério do Desenvolvimento Agrário.

O documento entregue a Dilma foi apresentado no encontro da Juventude Rural, que começou na segunda-feira. A chamada "Carta do 2º Festival Nacional da Juventude Rural" defende a adoção de propostas polêmicas como a que estabelece limites para a propriedade de terra e a que defende a revisão da norma de execução do Incra que impede a ocupação de lotes em assentamentos de agricultores que se tornarem servidores públicos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.