Contador nega ter pedido acesso a dados de Verônica

Suposto responsável pela bisbilhotagem fiscal contra a filha de Serra, Ademir Cabral rompe silêncio e desafia seu acusador

Bruno Tavares, Marcelo Godoy e Fausto Macedo/SÃO PAULO, O Estado de S.Paulo

09 de setembro de 2010 | 20h28

No centro do escândalo da violação do sigilo fiscal de Verônica Serra, o contador Ademir Estevam Cabral negou nesta quinta-feira, 9, ter sido o autor do pedido de acesso a cópias de declarações de renda da filha do candidato José Serra (PSDB). "Não conheço (Verônica), nunca tinha ouvido falar", ele afirmou, rompendo silêncio ao qual se impôs desde a semana passada, quando teve seu nome citado por Antonio Carlos Atella Ferreira, também contador e filiado ao PT por quase 6 anos.

 

Veja também:

linkLeia a entrevista: 'Com um monte de gente ele foi citar bem o meu nome?'

linkOuça a primeira parte da entrevista com Ademir Cabral

linkOuça a segunda parte da entrevista com Ademir Cabral

linkPolícia pede acesso a dados telefônicos de contadores

linkAlém de filha, genro de Serra também teve dados fiscais violados em Mauá

 

Atella declarou à Polícia Federal, sexta-feira passada, que foi Cabral quem lhe entregou em 29 de setembro de 2009 pedido de acesso a 18 declarações de pessoas físicas na Receita – na lista estaria o nome de Verônica. Cabral se diz indignado. Passou os últimos dias praticamente recluso, acuado, desorientado. Sumiu de Francisco Morato, onde tem seus negócios e amigos, sumiu do escritório da Rua Dom José de Barros, centro da capital, onde dava expediente, sumiu dos portões e arredores da Junta Comercial, onde assediava a freguesia a R$ 50 por consulta e documento tirado.

 

Na quinta-feira, ele apareceu de repente na Delegacia Seccional de Polícia de Santo André, que investiga a fraude da procuração atribuída à filha de Serra. Apresentou-se ao delegado José Emílio Pescarmona, que dirige o inquérito e a quem identificou-se como office boy, que foi dono de "pequeno escritório" na Praça Marechal Deodoro por três meses.

 

 

O delegado, 35 anos de experiência, ouviu seu relato e agora quer ouvir Atella, que por duas vezes esquivou-se da audiência – o advogado Alexandre Clemente Trindade deverá acompanhá-lo nesta sexta, 10, à polícia.

 

Acareação. Uma acareação entre Cabral e Atella está nos planos do delegado, dada a contradição dos depoimentos. Os dois trabalham em parceria faz cinco anos, mas em escritórios diferentes. A ideia de ficar frente a frente com seu acusador não intimida Cabral. "Precisamos colocar os pingos nos is", desafia.

 

No fim da tarde, depois de prestar contas à polícia, deu entrevista ao Estado. O que mais o intriga é por que o colega atribuiu a ele o pedido de acesso às declarações de renda da filha de Serra protocolado na Delegacia da Receita em Santo André. "Quero resolver o problema dele e o meu. Ele tá dizendo que sou eu, mas eu sei que não sou eu. Se fosse minha (a procuração) estaria no meu nome", observou. "Como ele tem vários clientes, quero ver se consegue achar alguma coisa para poder se safar dessa. Eu tenho plena convicção de que esse documento não é meu. Todos os meus documentos eu olho (o conteúdo)."

 

Cabral afirma que por esses dias anda "muito cansado", a cabeça dói. Quebrou sua rotina de tantos anos, tem evitado aparições em público desde que uma foto sua em comício do PV foi divulgada.

 

O contador negou também que tenha repassado a Atella um lote com 18 pedidos de cópias de declarações de renda, no qual estaria o nome e CPF de Verônica. "Dezoito pedidos não. Dezoito procurações em nome dele não", asseverou. "Se eram 18 teriam que aparecer as outras, né? Por que só apareceu essa? Tinha que aparecer todas. É isso que não entendo."

 

Incomoda-o a suspeita de que agia em conluio com gente da Receita em Mauá e Santo André, foco da trama. Conhece Adeildda Leão dos Santos, a servidora do Serpro que acessou quase 3 mil declarações, entre elas a de Verônica? "Nunca vi na vida", ele diz. Conhece Antônia Aparecida Neves, envolvida na onda de violações? "Nunca fui a Mauá e nem a Santo André", garante.

 

Uma dúvida o persegue desde que o mundo caiu sobre sua cabeça – afinal, por que Atella apontaria apenas seu nome? "Não sei. Vai ver que o primeiro nome que veio na cabeça dele foi o meu. Como a gente fazia muito pesquisa juntos, só pode ser isso. Mas esses documentos grandes eu nunca passei para ele."

 

É veemente ao refutar versão de envolvimento na fraude contra a filha de Serra. "Eu teria certeza se essa procuração fosse minha. Ela estaria em meu nome, não em nome dele. Para que eu ia colocar o nome dele? Além disso, eu estaria perdendo dinheiro", afirma.

 

Diz não saber quem são os clientes do antigo parceiro. "Ah, não conheço. Os que eu fazia para ele é empresa. Eu dava entrada na Junta e retirava. Inclusive a semana passada entreguei dois processos de clientes dele da Santa Ifigênia. Ele tem bons clientes, uma carteira boa de clientes."

 

O contador se disse surpreso com a revelação sobre filiação partidária de Atella. "Eu nem sabia que ele era do PT. O cara nunca discutiu política comigo."

 

Cabral frisou ainda que sua filiação ao PV "não tinha interesses políticos". Foram amigos que o apresentaram ao partido em Francisco Morato. "Minha cidade é pequena, tenho amigos e eles me filiaram ao PV. Nunca fui candidato a nada. Fui em festa, comício na rua. Só isso."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.