Consulados na Europa e EUA ameaçam entrar em greve

Os funcionários consulares das missões diplomáticas brasileiras ameaçam entrar em greve se suas reivindicações por melhores condições de trabalho, enviadas em carta para a presidente Dilma Rousseff, não forem atendidas. No documento, os quase 400 signatários que trabalham nos Estados Unidos e na Europa também exigem reajustes salariais.

AE, Agência Estado

16 de junho de 2011 | 11h29

O piso dos funcionários é de US$ 2.200, o que indica um aumento de apenas 10% desde 1996. Se fosse levado em conta o aumento do salário mínimo no período, diz o documento enviado no dia 10 de maio, a remuneração deveria ser três vezes maior.

Funcionários em missões nos EUA criticam ainda o sistema previdenciário. Eles não têm a permissão dos EUA para contribuir para o seguro social do país, ainda que trabalhem sob as normas de trabalho americanas. "Somos contratados locais, bilíngues e muitos com nível superior. Nossas funções abrangem desde o administrativo até assistência social, moral e psicológica aos brasileiros", afirma o documento. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
greveconsuladosEuropaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.