Consulado convida Afroreggae para assistir discurso de Obama

José Junior e Feijão poderão representar o grupo cultural no Municipal do Rio de Janeiro, neste domingo; banda também foi chamada para se apresentar no evento

Marilia Neustein, de O Estado de S. Paulo

19 de março de 2011 | 13h41

 O Consulado Americano convidou José Junior e Feijão, ambos do grupo cultural Afroreggae, para assistir ao discurso do presidente norte-americano, Barack Obama, neste domingo, 20, no Municipal do Rio. A banda da organização também foi convidada a se apresentar na ocasião.

Não é a primeira vez que Feijão, ex-traficante do morro de Acarí - que largou o crime depois que conheceu o trabalho de ressocialização do Afroreaggae - chega perto da Casa Branca. Ele, que hoje é um dos coordenadores à frente do Centro Cultural Waly Salomão, esteve nos EUA em 2009, a convite do Programa do Visitante Estrangeiro do Departamento de Estado Americano. Na ocasião, Obama não estava, mas sua expectativa é que amanhã consiga apertar a mão do Presidente dos Estados Unidos.

Feijão também acaba de ser convidado, pela terceira vez,  para a rodada do Fórum Econômico Mundial para América Latina.

Celebridades. A plateia que assistirá ao discurso de Obama no Theatro Municipal estará repleta de celebridades. O ex-jogador de futebol Pelé, os cantores Alcione, Martinho da Vila e Gilberto Gil, os atores Lázaro Ramos e Thaís Araújo, o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, e o empresário Eike Batista estão entre os espectadores citados pelo governo do Rio que devem comparecer ao evento.

Ainda segundo informações do governo do Rio, telões vão ser instalados em frente ao teatro, na Cinelândia, mais precisamente na Praça Marechal Floriano, para que a população possa acompanhar o discurso do presidente norte-americano em tempo real. Obama estará acompanhado pelo governador do Rio, Sérgio Cabral Filho. O discurso está previsto para começar às 14 horas.

Mais conteúdo sobre:
ObamaBrasilvisitaRio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.