Conselho vai avaliar ação contra Jader

O senador Gilberto Mestrinho (PMDB-AM) vai convocar o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar, na segunda semana de agosto, para examinar a representação contra o presidente licenciado do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA). É a primeira missão de Mestrinho na presidência do órgão. Ele assumiu o cargo em junho último, dentro de uma manobra articulada pelo próprio Jader para ter a seu lado os representantes do PMDB. Mestrinho afirma que tal esquema não existiu. Segundo ele, Jader ou qualquer outro senador sabem que o funcionamento do conselho independe de partidos ou de lideranças. "Não tergiversarei", assegura, em nota divulgada no início da semana. "Dignificarei o mandato que me foi conferido e jamais faltarei aos superiores interesses de nacionalidade". Para a oposição, a iniciativa do senador, de examinar a representação, vai evitar a abertura de uma batalha jurídica para atingir esse fim. A senadora Heloisa Helena (PT-AL) acredita que, além das contradições de Jader nas declarações que fez em plenário, vão surgir novos elementos comprovando que ele desviou recursos do Banpará e negociou Títulos da Dívida Agrária (TDAs) emitidos irregularmente. "A pressão contra ele dará agilidade às investigações do Ministério Público e da Polícia Federal", prevê. Se for aceito, o processo contra Jader vai se basear nos mesmos argumentos que pesaram contra seus colegas: a tentativa de negar, no Senado, provas sobre o seu envolvimento em irregularidades. O fato é caracterizado como falta de decoro parlamentar. A julgar pela possível reação dos 16 membros do conselho, a situação de Jader Barbalho é das mais difíceis. O apoio que ele possa obter dos integrantes do PMDB - são cinco, contando Mestrinho, que só vota em caso de empate - não deve encontrar respaldo entre os demais senadores. Quatro deles são do PFL, três do PSDB, três de partidos da oposição. O corregedor-geral, senador Romeu Tuma (PFL-SP), que tem acompanhado as investigações da Polícia Federal contra Jader, é membro nato do conselho e também vota.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.