Conselho retira proposta sobre troca em fundo de Furnas

PMDB pressiona por mudança na direção do fundo de Furnas, que tem patrimônio de R$ 6,3 bilhões

Kelly Lima, da Agência Estado

26 de fevereiro de 2009 | 16h51

A proposta para substituição da diretoria da Fundação Real Grandeza teve que ser tirada da pauta da reunião do Conselho, que acontece nesta quinta-feira, 26, no Rio. A pressão do PMDB para trocar o comando da Fundação Real Grandeza, que gere um patrimônio de R$ 6,3 bilhões - em abril de 2008, eram R$ 7,2 bilhões - em recursos previdenciários dos trabalhadores e aposentados de Furnas Centrais Elétricas, provoca uma greve na maior geradora de energia do País. Unidos aos aposentados, os funcionários da empresa, reunidos em 20 bases sindicais, são contrários à mudança no fundo de pensão..   O motivo para não se discutir a mudança foi uma cláusula do regulamento interno da Fundação que prevê que uma proposta já rejeitada anteriormente pelo Conselho só pode voltar a ser apresentada por quatro proponentes, entre os seis conselheiros existentes. Nessa reunião, apenas o presidente do Conselho, Victor Albano, assinou a proposta de substituição do presidente da Fundação, Sérgio Fontes, e do diretor financeiro, Ricardo Gurgel, por Eduardo Garcia, indicado direto do PMDB.   Veja também: Funcionários de Furnas fazem paralisação no Rio Lula manda adiar mudanças no fundo de pensão de Furnas Contra trabalhadores, PMDB tenta assumir fundo de pensão de Furnas   Escândalo do mensalão derrubou diretoria em 2005   A pauta já havia sido rejeitada anteriormente, em dezembro de 2007. A reunião do conselho deliberativo prossegue na sede da Fundação.   Desde o início da manhã desta quinta-feira, 26, o Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Energia do Rio de Janeiro e Região (Sintergia-RJ) realiza uma paralisação das atividades na sede da Furnas Centrais Elétricas, subsidiária da Eletrobrás, na zona sul do Rio de Janeiro, em apoio à atual gestão do fundo de previdência dos funcionários da estatal, Fundação Real Grandeza.   Em nota de esclarecimento publicada hoje na imprensa, sob a forma de informe publicitário, Furnas afirma que a proposta de troca dos atuais diretores da Fundação Real Grandeza leva em conta o cenário de "dificuldades e de desconfiança no relacionamento com a Fundação" e visa "à preservação dos interesses das empresas e dos beneficiários" do fundo."Furnas solicitou, como patrocinadora, informações sobre o desempenho das aplicações financeiras da Fundação. No entanto, até o momento, passados dois meses do encerramento do exercício de 2008, a empresa não recebeu dados que comprovem os bons resultados da gestão da atual diretoria, que vêm sendo divulgados insistentemente pela entidade", diz a nota.

Tudo o que sabemos sobre:
Furnascaso Real Grandeza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.