Conselho recebe representação do PMDB contra Virgílio

Acusação é de que um servidor do parlamentar estudou 13 meses na Espanha com salários pagos pelo Senado

CHRISTIANE SAMARCO, Agência Estado

05 de agosto de 2009 | 11h43

O Conselho de Ética do Senado recebeu representação do PMDB contra o líder do PSDB, Arthur Virgílio (AM). Assinada pela presidente em exercício do partido, deputada Íris de Araújo (GO), a pedido da cúpula da legenda no Senado, a representação acusa o tucano de quebra do decoro parlamentar. A representação não foi surpresa para Virgílio, que tinha sido avisado pelo líder do PMDB, Renan Calheiros (AL), de que seu partido não perdoaria o fato de o PSDB ter levado o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), ao Conselho de Ética.  

 

Veja Também

linkDecisão sobre primeiras ações contra Sarney sai na quarta

linkSarney adia discurso no Senado, diz assessoria

linkSenado barra pagamento de contratados por ato secreto

linkSarney revalida 36 dos 663 atos secretos do Senado

video O bate boca entre Renan Calheiros e Pedro Simon

video Fernando Collor manda Pedro Simon engolir o que disse

especialNas páginas do Estadão, a luta contra a censura

 

De acordo com a acusação, um servidor do gabinete de Virgílio ficou 13 meses estudando na Espanha com os salários pagos pelo Senado. Em consequência da denúncia, o líder do PSDB está devolvendo ao Senado, parceladamente, um total de R$ 210 mil. Virgílio é um dos senadores que mais pressionam pela renúncia de Sarney à presidência da Casa. Ontem, em plenário, ele aconselhou o peemedebista a "casar com a biografia" e disse mais uma vez que Sarney faria melhor se optasse por deixar o cargo.

Sarney é acusado de responsabilidade pela contratação de aliados e parentes por meio de atos secretos e de desvio de dinheiro destinado pela Petrobras à Fundação José Sarney e distribuído para empresas fantasmas e da família dele. Ele é alvo de 11 ações no Conselho de Ética do Senado, cinco representações e seis denúncias. O colegiado vai se reunir hoje para analisar as primeiras ações. Sarney também anunciou que fará hoje um discurso sobre a crise política no Senado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.