Conselho Nacional de Justiça vai investigar presidente do TRE-RJ

Luiz Zveiter é suspeito de favorecimento à construtora Cyrela, cliente do escritório de sua família

Mariângela Gallucci, de O Estado de S.Paulo

06 de dezembro de 2011 | 17h47

BRASÍLIA - O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu nesta terça-feira, 6, abrir um processo administrativo para investigar o presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Rio de Janeiro, Luiz Zveiter, por suspeita de favorecimento à construtora e incorporadora Cyrela, cliente do escritório de advocacia da família do desembargador.

Por 8 votos a seis, o CNJ concluiu que é necessário apurar indícios de que Zveiter teria agido com parcialidade em relação a um processo no qual foi questionada a titularidade da empresa sobre um terreno localizado na Barra da Tijuca.

"A junção de todas essas evidências não leva a outra conclusão, senão a de que há indícios de que o reclamado agiu com violação do dever de imparcialidade inerente ao cargo de magistrado e imprescindível para que sua conduta seja considerada irrepreensível na vida pública e privada", afirmou a corregedora nacional de Justiça e relatora do caso no CNJ, Eliana Calmon.

Um dos seis conselheiros que votaram a favor de Zveiter, Tourinho Neto disse que a abertura de um processo administrativo "arrasa com o juiz". "Mesmo que, ao final, ele venha a ser absolvido, é um suplício porque a comunidade e a sociedade entendem logo que ele é culpado. Isso arrasa com o indivíduo", afirmou Tourinho Neto.

Advogado de Luiz Zveiter, o ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos disse que vai esperar a publicação da decisão do CNJ para definir os próximos passos da defesa. Ele nega que seu cliente tenha agido com parcialidade.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
judiciárioZveiterinvestigado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.