Conselho de Jornalismo cria polêmica entre Brasil e NYT

O governo brasileiro e o jornal The New York Times se envolveram em uma nova polêmica, desta vez relacionada a criação do Conselho Federal de Jornalismo (CFJ) e da Agência Nacional de Cinema e do Audiovisual (Ancinav). Em matéria publicada nesta segunda-feira, o jornalista Larry Rohter, que por pouco não foi expulso após publicar reportagem sobre o consumo de bebidas alcoólicas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ele ressalta a dura reação contra os projetos do governo.Por intermédio de uma nota dirigida ao editor do jornal, a Secretária de Imprensa da Presidência da República contesta a notícia e pede que seja esclarecido que não foi o presidente Luiz Inácio Lula da Silva quem criou o Conselho de Jornalismo e sim a entidade de classe dos jornalistas, a Fenaj.A reportagem - intitulada "Proposta de controlar a imprensa causa ainda mais revolta" - informa que o conselho teria por lema "orientar, disciplinar e monitorar" jornalistas. "As punições pela violações das normas ou regulamentos variariam desde multas à cassação do registro oficial de jornalista, o que na teoria impediria o transgressor de exercer a profissão", ressalta. A reportagem acrescenta que, "depois de prometer reformular os artigos (da Ancinav) que cheiram a autoritarismo", o ministro da Cultura, Gilberto Gil, concordou em abrandar a proposta.A nota do governo brasileiro diz que "o senhor Rother, na verdade, parece não ter ouvido ninguém para escrever sua matéria, como é habitual em seus despachos: limitou-se a reproduzir declarações de pessoas que se opõem ao projeto, já publicada anteriormente pela imprensa brasileira". Para o governo, "a matéria não só deixa de informar ao leitor do NYT sobre quais foram os verdadeiros proponentes do projeto".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.