Conselho de Ética vai investigar elo de Renan com cervejaria

Pedido do PSOL é para apurar denúncias de que presidente do Senado teria favorecido a cervejaria Schincariol

07 de agosto de 2007 | 18h10

A Mesa Diretora do Senado ignorou parecer do advogado-geral da Casa, Alberto Cascais, e decidiu encaminhar ao Conselho de Ética a representação do PSOL pedindo investigação da denúncia de que o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) teria beneficiado a cervejaria Schincariol.   Veja também:    Especial sobre o caso Renan Calheiros   STF determina quebra dos sigilos fiscal e bancário de Renan DEM decide representar contra Renan no Conselho de Ética  STF instaura inquérito para investigar Renan Calheiros  Renan acusa 'Veja' de fazer 'denúncia falsa' e venda 'nebulosa'Segundo a denúncia, o presidente do Senado teria atuado para favorecer a cervejaria Schincariol em retribuição a um favor prestado a seu irmão, deputado Olavo Calheiros (PMDB-AL), bem como as suspeitas de apropriação ilegal de terras em Alagoas.   De acordo com o segundo vice-presidente do Senado, senador Alvaro Dias, a Mesa decidiu encaminhar a representação por que cabe à Mesa do Senado simplesmente encaminhar representações por suposta quebra de decoro ao Conselho de Ética.   "Inclusive, decidimos a alterar essa resolução, porque não se justifica a reunião da Mesa, já que o regimento é impositivo", disse Alvaro.   Nesta terça-feira, Renan tentou mais uma vez se defender no Senado e bateu boca com o líder do DEM no Senado, José Agripino (DEM). Agripino pediu que Renan deixasse a presidência da Casa e reiterou que o partido articula um processo de obstrução a votações em sessões presididas pelo senador.   Em resposta, Renan citou "concessões e financiamentos estatais" que Agripino teria: "Se sofresse a pressão que sofro por duas semanas, não agüentaria. O líder do DEM interrompeu o presidente do Senado cobrando esclarecimentos sobre as acusações: "Débitos? Que débitos? Vossa Excelência tem obrigação de dizer".   O líder do PSDB, Artur Virgílio, também falou à tribuna e disse que a saída do presidente do Senado do cargo seria um "presente à nação. O PSDB decidiu se unir ao DEM na representação contra o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), para que seja investigada a suspeita de ser dono oculto de duas emissoras de rádio em Alagoas.   (Com Reuters)

Tudo o que sabemos sobre:
Caso RenanSenadoescândalo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.