Conselho de Ética rejeita processo contra Bolsonaro

Para conselheiros, representação do Psol não pode ser aceita porque parlamentar não pode ser punido por sua opinião

Eduardo Bresciani, do estadão.com.br

29 de junho de 2011 | 16h42

O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara rejeitou, por 10 votos a 7, a abertura de processo disciplinar contra o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ). O processo foi instaurado há duas semanas, mas o colegiado derrubou nesta quarta-feira, 29, o parecer preliminar de Sérgio Brito (PSC-BA) que defendia a abertura de investigação.

 

A decisão dos conselheiros foi de que não se poderia aceitar a representação feita pelo Psol. O partido pediu a abertura de um processo contra Bolsonaro por ele ter discutido com a senadora Marinor Brito (PSOL-PA) e por ter classificado de "promiscuidade" a possibilidade de um filho seu ter relacionamento com uma mulher negra em entrevista ao programa CQC, da TV Bandeirantes.

 

Em seu relatório, Sérgio Brito defendia a abertura de processo para que se investigasse se Bolsonaro cometeu "abuso de prerrogativa parlamentar". Os deputados do Conselho, no entanto, entenderam que não se pode punir um parlamentar com base em suas opiniões.

 

Bolsonaro participou da reunião. Ele classificou como "lixo" a acusação contra ele. "É revoltante e me dá asco ser representado por questões como essa". O deputado voltou a fazer ataques ao kit anti-homofobia que foi preparado pelo Ministério da Educação mas não chegou a ser distribuído. O parlamentar concluiu sua exposição fazendo novo ataque a homossexuais. "Sou parlamentar com p maiúsculo e não com h minúsculo de homossexual".

 

Obsessão. O líder do Psol, Chico Alencar (RJ), rebateu as críticas de Bolsonaro. "Ele tem verdadeira obsessão com homoafetivos", disse Chico. O líder do Psol afirmou que Bolsonaro tem "ódio à diferença". O deputado Jean Willys (Psol-RJ), homossexual assumido, também discursou. Ele afirmou que a liberdade de expressão não pode ser usado para ferir a dignidade alheia e também atacou Bolsonaro por ele evitar comentar a acusação de racismo devido à entrevista ao CQC. "Sou homossexual com h maiúsculo de homem, mais homem que o senhor que fugiu da acusação de racismo porque racismo é crime e se refugiou na homofobia".

 

O deputado do PP reafirmou que não entendeu à pergunta sobre racismo. Ele destacou que a entrevista foi feita por meio de uma tela de computador. Bolsonaro destacou que a pergunta foi feita por Preta Gil. "Ela é promíscua, foi isso que eu respondi".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.