Conselho de Ética quer afastar Ângela Guadagnin

O presidente do Conselho de Ética da Câmara, Ricardo Izar (PTB-SP) e alguns deputados do colegiado defenderam o afastamento da deputada Ângela Guadagnin (PT-SP) até que a Corregedoria da Câmara apure o ato da deputada de dançar no plenário para comemorar a absolvição do deputado João Magno (PT-MG) do processo de cassação, na madrugada da última quinta-feira. "Ficou mal", afirmou Izar. Ele disse que sempre pede para que os parlamentares do colegiado não se manifestem sobre os resultados. "Seria prudente da parte dela se afastar", afirmou o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP). "Não só para ela se preservar, enquanto a corregedoria analisa sua atitude, mas também para preservar o conselho do qual ela faz parte", completou Sampaio.Para o deputado Júlio Delgado (PSB-MG) a deputada estava comemorando uma derrota do parecer do Conselho de Ética que ela integra. "A presença dela é constrangedora", disse Delgado. Ele defendeu também que seria adequado que a deputada esperasse a resposta da corregedoria, antes de retornar para o Conselho. Deputada se defendeA deputada afirmou que não pretende se afastar do colegiado, como defendem seus colegas. Para a deputada, ela não faltou com a ética, por ter manifestado de forma espontânea a alegria de ver um amigo absolvido do processo de cassação. Segundo ela sua atitude pode ter sido impensada, porque foi espontânea, mas que não houve falta de decoro. Para se defender, a deputada lembrou que o plenário da Câmara já viu deputados se agredindo, xingando um ao outro, fumando da tribuna, rasgando a Constituição e se acorrentandoà cadeira. Ela disse ainda que a repercussão do seu caso talvez seja pelo fato de ser mulher, gorda, ter cabelos brancos e não pintá-los, ser do PT "e buscar fazer justiça". Ela afirmou ainda que está sendo maltratada pela imprensa, que tem repercutido o fato, anulando toda uma vida de luta pelo bem estar do povo, pela Justiça e pela democracia. "Vinte segundos da minha vida apagaram mais de 30 anos de vida política", afirmou Ângela. Ela lembrou que já pediu desculpas aos cidadãos que se sentiram ofendidos, e que no Conselho de Ética defendeu pena alternativa para o amigo, João Magno. A deputada disse que ainda hoje fará discurso da tribuna sobre o tema.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.