Conselho de Ética livra três deputados de novos processos

O Conselho de Ética da Câmara aprovou nesta quinta-feira, por 9 votos a 4, o relatório que livra de novos processos de cassação, por falta de decoro parlamentar, três deputados envolvidos em escândalos, na legislatura passada. Os deputados Waldemar Costa Neto (PR-SP) e Paulo Rocha (PT-PA), acusados de envolvimento com o mensalão, renunciaram aos mandatos na legislatura passada para escapar da investigação do Conselho. João Magalhães (PMDB-MG), suspeito de envolvimento na máfia das ambulâncias, não chegou a renunciar, mas seu processo no conselho foi arquivado, quando a legislatura chegou ao fim. Os três foram reeleitos em outubro do ano passado. O relatório do deputado Dagoberto Nogueira (PDT-MS), com um adendo do deputado José Eduardo Cardoso (PT-SP) entendeu que Costa Neto, Paulo Rocha e João Magalhães foram absolvidos pelo voto dos eleitores e, portanto, não devem ser investigados neste mandato. Em protesto contra a decisão do Conselho, o deputado Nelson Trad (PMDB-MS) renunciou a vaga no colegiado. "Este conselho está dirigido partidariamente", protestou o deputado do PMDB.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.