Conselho de Ética isentará supostos sanguessugas

O Conselho de Ética do Senado fará na quinta-feira, 23, o dia da "pizza", com a absolvição dos três senadores citados pela CPI dos Sanguessugas como supostos envolvidos com a máfia das ambulâncias. A data foi marcada pelo presidente do conselho, senador João Alberto (PMDB-MA), e atende ao desejo do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), de impedir que o desgaste da Casa, pela absolvição dos três parlamentares, se arraste por mais de uma semana. A decisão de isentá-los é dada como certa, desde que a maioria dos membros do conselho manifestou-se contrária à aprovação do parecer do senador Jefferson Péres (PDT-AM), que pede a cassação do mandato do líder do PMDB, senador Ney Suassuna, considerado até então o caso mais grave. Absolvendo Suassuna, os senadores acreditam que não há razão para condenar Serys Slhessarenko (PT-MT) e Magno Malta (PL-ES). A senadora foi acusada por Luiz Antonio Vedoin de apresentar emendas para compra de ambulâncias superfaturadas em troca de propina para pagar gastos de sua campanha. Serys afirma que é inocente. O levantamento do Ministério da Saúde mostra que ela realmente fez emendas para ambulâncias.Nesta terça-feira, 21, o senador Magno Malta (PL-ES) negou no Conselho de Ética ter feito acordo com a família Vedoin, principal implicada no escândalo da máfia das ambulâncias, em troca do empréstimo do veículo que utilizava para transportar a sua banda gospel. A expectativa do presidente do Conselho de Ética, senador João Alberto (PMDB-MA), é a de votar os pareceres dos processos dos três senadores na quinta-feira. Com isso, restringirá o dia da "pizza" no Senado a apenas um dia, já que a maioria dos membros do conselho deve rejeitar a acusação contra os colegas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.